quinta-feira, 27 de maio de 2010

Apontamentos

Sempre que foi possível colocamos os discos que mais se destacaram ao longo de cada ano fazendo referência aos discos que atingiram os três primeiros lugares. No caso dos que atingiram o primeiro lugar indicamos o nº de semanas que estiveram em primeiro lugar. A referência é feita tendo em conta a data em que o disco é editado ou quando atinge a posição mais elevada.

Muitas vezes há falhas em vários anos por não termos acesso a todas as tabelas dessas datas.

A revista "Música & Som" começou a ser editada em 1977. As tabelas de vendas entre 1976 e 1983 foram feitas com base em dados da referida revista. Apesar do número de lojas consultadas ser limitada funcionava como uma amostra das vendas desses anos. Essas tabelas chegaram a ser publicadas na revista Billboard. Como não tivemos acesso a todas as tabelas haverá muitos outros discos que se destacaram nesses anos.

Antes de 1977 havia alguns jornais que publicavam, nem sempre de uma forma regular, as listas dos discos mais vendidos com base em consultas a algumas lojas de discos.

Nem todas as editoras fazem parte da Associação Fonográfica Portuguesa (Est. 1989) que é quem divulga as tabelas que consultamos. A primeira associação deste género apenas apareceu em 1976 e antes não havia atribuição de galardões dos discos mais vendidos. As tabelas divulgadas no programa "Top Disco" iniciaram-se em 01 de Outubro de 1984.

A partir de 1984 e até 1992 recorremos ao jornal Blitz (iniciado em Novembro desse ano) como fonte das tabelas semanais. No início era publicada a tabela dos 20 singles e 20 álbuns e com a indicação do lugar ocupado na semana anterior o que poderia solucionar algumas falhas. A partir de determinada fase passaram a ser divulgados apenas os tops 10 de cada tabela, sem a indicação da posição ocupada na semana anterior e infelizmente muitas das tabelas foram repetidas durante várias semanas.

Entre 1990 e 1997 não foi possível ter acesso a grande parte das tabelas mesmo assim optamos por colocar a informação em nosso poder e que poderá ser melhorada mais tarde.

Na internet apenas existem tabelas de vendas a partir de 2003 e mesmo assim com algumas falhas. Apenas em 1984 começaram a ser feitas tabelas com um universo mais alargado de lojas consultadas.

O facto de um disco ter estado muitas semanas em primeiro lugar pode não ter grande significado caso as vendas desse período não sejam importantes ao longo do ano.

Um disco pode ter grandes vendas sem atingir o nº 1 pois podem existir outros discos a vender muito na mesma altura.

Há discos que podem ser dos mais vendidos em mais do que um ano.

Um disco pode atingir os primeiros lugares, estar pouco tempo na tabela e não vender grande quantidade de discos apesar de ter atingido o 1º ou 2º lugar.

Há artistas que vendem bem em pouco tempo devido à forte adesão dos admiradores desse artista.

A atribuição de discos de platina não significa vendas de discos pois apenas representam as unidades colocadas no mercado. Por vezes há discos que acabam por não vender tanto como o que era esperado face ao perfil desse artista.

Por vezes foi usual a atribuição de galardões em duplicado pelo facto do disco ser duplo. Este facto impede que se faça uma comparação imediata, ao longo dos anos, com base nesse factor.

As actualizações do blog não serão frequentes pois a informação na nossa posse já aqui foi colocada. No entanto há muita informação que poderia complementar a que já existe.

Aceitam-se informações que permitam melhorar a análise dos anos já indicados ou mesmo de outros.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Vendas de discos 1988


Álbuns em destaque:

Hit Parade - Vários (Polygram) (5#1) [2#1 em 1987]
Jackpot 87 - Vários (EMI) - #2
Muit'a Louco - Ministars - #2
You Can Dance - Madonna - #2
Uma Hora Com… - Joe Dassin (1#1)
Terra Firme - Trovante - #2
Roque Santeiro - Banda Sonora (#1)
Whenever You Need Somebody - Rick Astley
Anos d'Ouro da Canção Italiana - Vários (CGD/Edisom)
A Terra, O Mar, O Céu - Nuno da Câmara Pereira
Espelho de Sons - Carlos Paredes
88 - Xutos & Pontapés
Live In Europe - Tina Turner
Ao Vivo - Rui Veloso (#1)
Marco Paulo - Marco Paulo
Tracy Chapman - Tracy Chapman (#1)
Amor Bandido - Joanna (#1)
Rank - The Smiths
11 Of The Best - Billy Idol
Piaf 25e Anniversaire - Edith Piaf
Money For Nothing - Dire Straits (#1)
Rattle And Hum - U2
As Mais Belas Canções - Luciano Pavarotti
Delicate Sound of Thunder - Pink Floyd (#1)
Jackpot 88 - Vários (EMI)
Polystar - Vários (Polygram)
+

Singles em destaque:

You Win Again - Bee Gees (1#1) [3#1 em 1987]
Dona - Roupa Nova (4#1)
Minha Casinha - Xutos & Pontapés (1#1)
Volta Para Mim - Roupa Nova - #4
De Volta P'ro Aconchego - Elba Ramalho - #2
Song For Nadim - Yann Anderson (#1)
Heaven Is A Place On Earth - Belinda Carlisle
China In Your Hand - T'pau
I Think We're Alone Now - Tifanny
Joana - Marco Paulo (#1)
Im In'Alu - Ofra Haza (#1)
Love Changes Everything - Climie Fisher
Caixinha de Música - Peacemakers
My Love - Julio Iglésias
Ye Ke Ye Ke - Mory Kanté
Hand In Hand - Koreana (#1)
Fast Car - Tracy Chapman (#1)
Desire - U2
A Groovy Kind Of Love - Phil Collins
Yes - Tim Moore (#1)
Here I Am - Dominoe
+

(Alguns dos discos que ocuparam as primeiras posições entre Janeiro e Dezembro de 1988)
Neste caso não indicamos o nº de semanas que cada disco esteve em primeiro ligar pois não tivemos acesso a todas as tabelas.

---
As vendas de discos no período do Natal aumentaram a lista de galardões de 88 da UNEVA, de que se destacam o duplo álbum de platina (40 mil cópias) dos Pink Floyd, «Delicate Sound of Thunder», e «Ao Vivo», dos Xutos & Pontapés, que conseguiu também um disco de platina, mas apenas com mais de 13 mil cópias, dado tratar-se de um álbum triplo.

Outros discos de platina foram atribuidos aos Ministars, com «É Altamente» (40 mil cópias), e a Luciano Pavarotti, com «As Mais Belas Canções Napolitanas» (20 mil cópias por se tratar de um álbum duplo).

Discos de_ouro (20 mil exemplares) foram atribuidos aos U2 («Rattle And Hum»), Trovante («Ao Vivo no Campo Pequeno» [disco duplo-10.000]), Onda Choc («Na Minha Idade»), Plácido Domingo («Love Songs») e Lloyd Cole and the Commotions («Mainstream»).

A UNEVA atribuiu ainda, no final de 1988, discos de prata aos Marillion («The Thieving Magpie»), José Calvário («Cinema Portugués - Banda Sonora»), António Pinto Basto («Rosa Branca»), Sade («Stronger Than Pride») e Júlio lglésias («Non Stop»).

Blitz nº220, 17/01/1989

Durante o ano de 1988 a UNEVA atribuiu 50 discos de prata, 24 de_ouro e 13 de platina ao conjunto das cinco principais editoras discográficas.

A editora que mais lucrou em metais preciosos foi a Polygram (20 de prata, nove de_ouro e quatro de platina), seguida pela EMI-VC (12 de prata, oito de_ouro e cinco de platina). A CBS aparece em terceiro lugar (14 de prata, cinco de_ouro e três de platina). A BMG (quatro de prata e dois de_ouro) e a Edisom (um de platina) completam a lista de atribuições.

Blitz nº225, 21/02/1989

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Vendas de discos 2006

Floribella - SIC
Discos mais vendidos - 2006

1 - Floribella - Flor / Banda Sonora
2 - Acústico - André Sardet
3 - Eu Aqui - FF
4 - Original - D'ZRT
5 - Paulo Gonzo - Paulo Gonzo
6 - Ancora - Il Divo
7 - 4 Taste - 4 Taste
8 - Beautiful Intentions - Melanie C
9 - Ao Vivo No Coliseu - Tony Carreira
10 - Ao Vivo No Coliseu - D'ZRT
11 - Mi Sangre - Juanes
12 - Mickael - Mickael Carreira
13 - Back To Bedlam - James Blunt
14 - Uma Vida de Canções - Paco Bandeira
15 - Un Monde Parfait - Ilona
16 - Transparente - Mariza
17 - 18 Singles - U2
18 - Este É O Meu Mundo - Bébé Lilly
19 - Siempre - Il Divo
20 - Confessions On A Dance Floor - Madonna
21 - Oral Fixation Vol. 2 - Shakira
22 - A Vida Que Eu Escolhi - Tony Carreira
23 - Amore - Andrea Bocelli
24 - Loose - Nelly Furtado
25 - Fácil de Entender - The Gift
26 - Concerto Em Lisboa - Mariza
27 - Baladas Da Minha Vida - José Cid
28 - Docemania - Docemania
29 - Roberto Carlos - Roberto Carlos
30 - O Melhor Natal - Floribella / Banda Sonora

Fonte: AFP

Discos em destaque:

--1-Ao Vivo No Coliseu - D'ZRT - 1#1
--7-Ancora - Il Divo -7#1
Back To Bedlam - James Blunt [#2]
The Very Best Of - Demis Roussos [#2]
Caught In The Act Live - Michael Bublé [#2]
Bale Mulato - Daniela Mercury [#2]
--9-Beautiful Intentions - Melanie C - 9#1
Amore - Andrea Bocelli [#2]
Meds - Placebo [#3]
Both Sides Of The Gun - Ben Harper [#3]
Collected - Massive Attack [#2]
Un Monde Parfait - Ilona [#2]
--1-Memorial - Moonspell - 1#1
--2-Pearl Jam - Pearl Jam - 2#1
Vida - Paulo de Carvalho [#2]
A História de António Variações - António Variações [#3]
Paulo Gonzo - Paulo Gonzo [#2]
Ao Vivo No Coliseu - Tony Carreira [#3]
--4-Eu Aqui - FF - 4#1
Oral Fixation Vol.2 - Shakira [#2]
--1-Original - D'ZRT -1#1
Under The Iron Sea - Keane [#3]
--14-Floribella - Flor -14#1
Mi Sangre - Juanes [#2]
Mickael - Mickael Carreira [#2]
11---Acústico - André Sardet - 11#1
Este É O Meu Mundo - Bebé Lilly [#2]
The Open Door - Evanescence [#2]
Docemania - Docemania [#3]
Ligação Directa - Sérgio Godinho [#2]
Fácil de Entender - The Gift [#2]
Uma Vida de Canções - Paco Bandeira [#2]
Concerto em Lisboa - Mariza [#2]
18 Singles - U2 [#2]
--2-4 Taste - 4 Taste - 2#1
Siempre - Il Divo [#3]
A vida que eu escolhi Espacial - Tony Carreira [#3]

-Discos que atingiram as primeiras posições entre Janeiro e Dezembro de 2006

Alguns galardões atribuídos:

Floribella - Flor / Banda Sonora (9 platinas)
Acústico - André Sardet (5 platinas)
Eu Aqui - FF (3 platinas)
Original - D'ZRT (3 platinas)
4 Taste - 4 Taste (3 platinas)
Ancora - Il Divo (2 platinas)
Mickael - Mickael Carreira (2 platinas)
Transparente - Mariza (2 platinas)
Paulo Gonzo - Paulo Gonzo (2 platinas)
Ao Vivo No Coliseu - Tony Carreira (2 platinas)
Back To Bedlam - James Blunt (2 platinas)


Ranking de editoras / 2006

- Parceria Farol + Warner: Líder de Mercado em 2006
- Farol editou 7 dos 10 discos mais vendidos em 2006
- 58 galardões para 34 dos seus discos, incluindo 48 discos de platina

No mercado discográfico Português, estão presentes as 4 maiores editoras a nível internacional, e entre elas a Warner Music presente através de uma parceria com a editora do Grupo Media Capital – Farol Música. No seu conjunto e de acordo com os dados da AFP (Associação Fonográfica Portuguesa) em 2006 estas 5 editoras terão tido uma quota de mercado de cerca de 75%.

O ano de 2006 foi caracterizado por uma redução substancial do valor do mercado discográfico a nível mundial, tendo o mercado áudio Português acompanhado esta tendência e registado uma quebra de cerca de 17% face a 2005, para valores de vendas de discos entre os 52 e os 55 milhões de euros.

Segundo os dados fornecidos pela AFP, a Farol Música ascendeu em 2006 ao segundo lugar no ranking das editoras discográficas em Portugal, logo atrás da multinacional Universal Music. Com base no sucesso da música e cantores Portugueses, das séries e novelas emitidas pela TVI e nas actividades de rádio do Grupo, a Farol Música, tem produzido e comercializado diversas bandas sonoras com assinalável sucesso.

Apesar da tendência internacional, a Farol Música conseguiu aumentar as suas vendas em 2006, tornando-se líder de mercado no conjunto dos catálogos Farol e Warner Music, como resultado do acordo firmado no final de 2004 com esta editora discográfica multinacional, que tornou a Farol Música, desde essa altura, distribuidora exclusiva para Portugal de todo o seu catálogo que inclui artistas como Madonna, Red Hot Chilli Peppers, James Blunt, Phil Collins ou Michael Bublé. Este acordo / parceria não se limita à distribuição pura do catálogo mas abrange também todo o trabalho de marketing, promoção e gestão comercial dos produtos da Warner Music, dando assim também credibilidade à Farol em termos internacionais, como parceiro local relevante no nosso mercado.

Este resultado excepcionalmente positivo é fruto de algumas características diferenciadoras da Farol Música em comparação com as outras editoras discográficas (multinacionais e independentes) com actividade no mercado nacional, designadamente uma gestão orientada por projecto e um investimento forte em marketing e promoção dos seus produtos levados a cabo por uma estrutura bem dimensionada, leve, dinâmica e qualificada.



MÉDIA CAPITAL

A tendência de descida surge ainda mais acentuada noutro tipo de suportes, a começar pela cassete musical (MC ou K7). Este formato assistiu à quebra das suas vendas, entre 2005 e o 1º semestre de 2006, de 625.864 cassetes para 185.245. O suporte audiófilo de Super Áudio Compact Disc (SA-CD) viu a sua, já residual, expressão decrescer de 8.630 unidades de 2005 para as 1.333 unidades vendidas até à primeira metade de 2006. A mesma tendência é observável no mesmo período no suporte DVD-Áudio que decresce de 335 para as 67 unidades. Facto a assinalar, e que contraria este comportamento decrescente, é o ressurgimento do sector do vinil. Segundo os dados da APF durante o ano de 2005 foram vendidas 102 peças de vinil. Ora esse número é ultrapassado logo na primeira metade de 2006 alcançando as 149 unidades. Não obstante, estes valores parecem demasiado baixos para serem verosímeis para a realidade portuguesa.

(FONTE: Obercom)


quarta-feira, 19 de maio de 2010

Substituição do top de venda de Singles


O top de singles deixou de ser publicado no Natal de 1993. Entre 1998 e 2000 verificou-se um aumento nas vendas do formato que levou ao ressurgimento da tabela em Julho de 2000. A tabela foi interrompida novamente em Março de 2004 após o decréscimo nas vendas. Em 2003 venderam-se 300.000 unidades e 150.000 em 2002.

O CD-single nunca teve grande impacto em termos de vendas o que foi agravado com a internet.

dados retirados do artigo de Chris Graeme

 Billboard 03/04/2004

A Associação Fonográfica Portuguesa (AFP) retirou das tabelas de objectos discográficos mais vendidos — divulgada semanalmente aos meios de comunicação social — o top relativo aos singles, o formato mais «curto» de todos os disponíveis comercialmente. De acordo com Eduardo Simões, Director Geral da AFP, fazendo eco daquilo que há muito era comentado no chamado meio musical, «o mercado de singles tornou-se desinteressante para as empresas associadas da AFP».

Contando, entre os seus sócios, com os principais agentes editoriais a operar em Portugal, com um peso considerável assegurado pelas multinacionais (EMI, Universal Music, Sony Music, Warner Music, BMG), a AFP registou, ainda segundo o seu Director Geral, em 2003 uma queda na venda de singles de 50,13% relativamente ao ano anterior. Concretamente, foram contabilizados pela AFP 303.205 singles vendidos em 2002, contra uns escassos 151.204 em 2003. Em termos comparativos, a mesma associação apurou em 2003 a venda total de 12.369.756 de álbuns.

Retomada no início da presente década depois de anos de invisibilidade pós-época de ouro do vinil, a tabela de singles surgiu, à 10ª semana de 2004, substituída pela de DVDs musicais.

Blitz, 16/03/2004

A tabela de vendas de singles em Portugal deixou de ser compilada. A decisão da Associação Fonográfica Portuguesa (AFP) prende-se com a falta de expressão do mercado em Portugal. Eduardo Simões, director geral da AFP, disse, em declarações à Lusa, que "o mercado dos singles tornou-se muito pequeno" e que "as tabelas de vendas não dão aos profissionais uma leitura da realidade do mercado".

Em lugar da tabela de singles, a AFP passa a compilar as vendas de DVD musicais, o único produto musical que em 2003 conheceu vendas assinaláveis. A quebra na venda de discos em 2003 ficou perto dos 10 por cento e o número de unidades vendidas não conseguiu chegar aos 10 milhões, segundo os dados da AFP.

Pedro Rios, JPN, 12/03/2004

TOP DVD SUBSTITUI O DE SINGLES

‘Up! Live in Chicago’, de Shania Twain, é o líder da primeira tabela de vendas de DVD e VHS, em Portugal, compilada pela Associação Fonográfica Portuguesa (AFP) por troca com a de singles.

De acordo com Eduardo Simões, director-geral da AFP, o final da tabela de singles prende-se com o facto do mercado ter-se tornado “muito pequeno”. Em contrapartida, o aumento de vendas de DVD musicais, sobretudo em 2003, levou a AFP a produzir ‘tops’ semanais.

CM, 14/03/2004

Singles em maior destaque entre 1995 e 2003:

F - Pedro Abrunhosa & Bandemónio [40.000 / Ouro e platina - 1995]
Candle In The Wind 97 - Elton John - 1997 [3*Platina]
Chegou o Noivo - Marco Paulo - 1997 [1*Platina]
Timor - Trovante - 1999 [50.000 discos]

50 mil discos por Timor

O CD single “Ai, Timor”, gravado especialmente pelos Trovante, teve uma venda espantosa no mercado nacional: nada mais nada menos que 50 mil unidades!

A receita das vendas – 38.740 contos – foi entregue a Pascoela Barreto, representante em Portugal do Conselho Nacional da Resistência Timorense. A entrega solene foi feita por Manuel Faria, João Nuno Represas, João Gil, Luís Represas, João Monge (autor da letra) e David Ferreira (da EMI - Valentim de Carvalho).

 TVMAIS, 18/02/2000

 I have been reliably informed that the Portuguese singles charts may soon be discontinued. This is because the sale of singles in Portugal is dismally low. AC Nielsen who compile the charts for both Portugal & Italy told me this. In Portugal only the big record specialists even stock singles, you can't buy them in supermarkets or small record shops. I was told that the single at #4 this week which was Remixed & Revisited by Madonna only sold 83 (Yes 83) copies.

UKMIX, 08/01/2004 

(unidades vendidas)

2002-----303.205
2003-----151.204
2004---1.688.548
2005-----176.367
2006------17.834
2007------41.815
2008-----119.731
2009------42.605
2010------50.644

O elevado volume de vendas de singles em 2004 deve-se a vendas especiais (clientes fora do mercado discográfico tradicional como empresas)

(FONTE: Obercom 2010)

Se em 2005 o total de vendas de singles ascendeu às 176.367 unidades, no 1º semestre de 2006 baixou drasticamente para as 13.611 unidades – quase 13 vezes menos.

(FONTE: Obercom)

terça-feira, 18 de maio de 2010

Vendas de discos 1992

Discos mais vendidos - 1992

1 - Palavras Ao Vento - Resistência
2 - Rock In Rio Douro - GNR
3 - Nevermind - Nirvana
4 - Use Your Illusion II - Guns N' Roses
5 - Greatest Hits II - Queen
6 - Live At Wembley 86 - Queen
7 - Still Loving You - Scorpions
8 - ABBA Gold: Greatest Hits - ABBA
9 - Stars - Simply Red
10 - Earthrise - Vários (Polygram)

Fonte: AFP

Álbuns em destaque:

Greatest Hits II - Queen (6#1)
Waking Up The Neighbours - Bryan Adams (2#1)
Ela Só Quer, Só Pensa Em Namorar - Onda Choc - #3
Greatest Hits I - Queen - #3
Palavras Ao Vento - Resistência (15#1)
Se Você Quer... - Roberto Carlos - #3
Human Touch - Bruce Springsteen - #2
Stars - Simply Red - #2
Seven - James - #3
Still Loving You - Scorpions (2#1)
Rock In Rio Douro - GNR (10#1)
Live At Wembley 86 - Queen (3#1)
Use Your Illusion I - Guns N' Roses - #3
Use Your Illusion II - Guns N' Roses (1#1)
The One - Elton John  - #2
Nevermind - Nirvana (1#1)
Earthrise - Vários (Polygram) (4#1)
Us - Peter Gabriel - #2
ABBA Gold - ABBA (8#1)
Unplugged - Eric Clapton - #2
Greatest Hits - Police - #2
The Best Of - Joe Cocker - #2
Live - AC/DC - #2
++
Singles em destaque:

Don't Cry - Gun'N'Roses (8#1)
Taras e Manias - Marco Paulo (2#1)
Radio Song - REM - #3
Black Or White - Michael Jackson - #3
Live And Let Die - Gun N Roses - #2
Mysterious Ways - U2 (1#1)
Colour Of Love - Snap - #3
Don't Let The Sun... - George Michael (18#1)
Let's Talk About Sex - Salt N Pepa (1#1)
Human Touch - Bruce Springsteen - #3
I Can't Dance - Genesis - #3
One - U2 - #3
Still Loving You - Scorpions - #3
High - Cure - #2
Nasce Selvagem - Resistência - #2
Maubere - Rui Veloso (18#1)
Good Stuff - B 52's - #2
Lenda do Mar - Ritual Tejo - #2
Knocking On Heavens Door - Gun N roses (1#1)
The One - Elton John  - #2
Smells Like Teen Spirit - Nirvana - #2
November Rain - Guns N Roses - #2
Even Better Than The Real Thing - U2 - #2
My Name Is Prince - Prince - #2
Erotica - Madonna - #2
Chuva Dissolvente - Xutos & Pontapés (2#1)
Sangue Oculto - GNR - #3
Easy Come And Go - Joker (1#1)
++


92-79090-[Nos primeiros seis meses deste ano, a venda dos singles registou uma quebra de 25 por cento, a dos álbuns em vinil 31 por cento, a das cassetes 14 por cento e a dos vídeos musicais 12 por cento.

92-299530-São os Lx-90, os Sitiados, os UHF e todos os novos contratados pela empresa dirigida por Tózé Brito, mas sobretudo os Resistência -- que mantêm o primeiro lugar do top da AFP desde o concerto na Aula Magna, em Fevereiro passado -- que provam que quem vende mais música em Portugal são os portugueses; que são os seus concertos que fazem vender discos.

92-617924-Se ao nível da facturação total, em relação ao último trimestre de 1991, a Polygram mantém um quarto de mercado, a EMI-Valentim de Carvalho (EMI-VC), por seu lado, caíu para 19,94 por cento, e a Edisom, para cerca de cinco por cento, enquanto a BMG subiu para 17,8. Assim, a EMI-VC, embora descendo em relação ao último trimestre, conserva a liderança, com 43 por cento das vendas de música portuguesa. Mas a Polygram, que há pouco mais de um ano discutia quase taco a taco essa primazia, caíu agora para os 16,23 por cento -- descida em que é acompanhada pela Edisom, que não vai além dos 2,34 por cento (no final de 1991 já descera para menos de oito por cento).

92-691730-O grupo pop portuense GNR recebeu, na passada quinta-feira, um disco de platina referente a vendas da ordem dos quarenta mil exemplares do seu último LP "Rock In Rio Douro".

92-843812-A campeã da música portuguesa é a EMI-Valentim de Carvalho, posicionada em segundo lugar nas vendas globais, com menos dois pontos percentuais que a Polygram. No ranking de vendas das principais editoras discográficas, o primeiro lugar é da Polygram, com um pouco mais de 25 por cento do total facturado no primeiro semestre (750 mil contos), liderando de muito longe o segmento de música clássica.

92-1301390-De facto, anteontem, o Coliseu recebeu uma multidão disposta a cantar até à exaustão os temas que fizeram de "Palavras ao Vento" [dos Resistência] o mais recente duplo disco de platina da música portuguesa.

92-1302245-Em simultâneo com o espectáculo do grupo no Armazém 22, no Porto de Lisboa, e a entrega do disco de platina pelas vendas de "Palavras ao vento" -- mais de 80 mil exemplares no prazo de um ano.

92-1403534-(...) "We Can't Dance", o décimo sétimo editado pelo grupo [Genesis] e o seu primeiro disco de platina em Portugal.

92-1450010-Tem-se verificado a comercialização de fonogramas, cujas capas pela sua apresentação gráfica induzem à confundibilidade dos nomes de autores, artistas, intérpretes e executantes originais, provocando enganos no consumidor.

Público, 1992

93-335659-O prémio máximo, isto é, o disco de platina correspondente a vendas superiores a 40 mil exemplares, foi no passado conferido a mais artistas estrangeiros do que a portugueses, sendo vencedores máximos Bryan Adams, com "Waking Up the Neighbours" (cinco vezes o disco de platina), e os Queen, com "Greatest Hits II" (quatro vezes o disco de platina). O máximo que os portugueses conseguiram foi tripla platina, conquistada por "Palavras ao Vento" dos Resistência, logo seguida da dupla platina dos GNR com "In Vivo".

93-214193-Venderam-se pouco mais de 47 mil singles em 1992, o que há dez anos atrás seria um número modesto para um 45 rotações dos Táxi, por exemplo.

93-167795-Como é bem sabido, até a uma dada altura, eram os singles que faziam vender os álbuns, não só pela sua maior maleabilidade em termos de consumo, como pela questão do tempo de antena radiofónica -- que era e ainda continua a ser dado preferencialemente (sobretudo em AM) às canções.

93-167795-Ora se os singles praticamente deixaram de existir (tornado-se um objecto mais ou menos obsoleto para a indústria instituída) ou se simplesmente os álbuns deixaram de ter canções propícias para edição neste formato, torna-se mais difícil a rádio focalizar-se sobre uma nova edição, acabando por serem os artistas mal divulgados.

93-188007-O dado que falta, que sabemos mas não entra nas contas da IFPI, é que muitas das cassetes vendidas em Portugal são mini ou baratas e são elas que, de facto, estão a substituir os singles

93-198665-Os discos de vinil continuam a descer -- menos 433, 39 por cento nos álbuns e menos 33,54 nos singles -- e também nas cassetes (menos 8,97 por cento).

93-749070-O ano em que um grupo português, os Resistência, com o seu álbum de estreia "Palavras ao Vento", assomou ao top dos cem discos mais vendidos na Europa. Em que surgiram a concorrer para os primeiros postos do top português uma série de discos nacionais que ultrapassaram decididamente o plano da produção caseira.

A companhia vencedora em 1992 foi a EMI-VC, com 23,49 por cento, e aí a tendência é mais evidente, uma vez que esta editora foi responsável por quase metade das vendas do ano passado do total de música portuguesa.

Só a Polygram teve um bom ano ditado pelas estrelas internacionais, sendo a segunda no ranking das editoras, com 23,48 por cento, mas com não mais de 18 por cento de quota no reportório português.

93-917979-Registou-se um crescimento na facturação, mas o número de fonogramas vendidos entre nós em 1992 indica que a crise internacional do mercado da música não vai poupar Portugal.

Público, 1993

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Vendas de discos 2002

Laundry Service - Shakira
Álbuns em destaque:

Greatest Hits: Chapter One - Backstreet Boys (3#1)
Echoes - Pink Floyd (1#1) [ver também em 2001]
There You'll Be    - Faith Hill - #3
É Por Amor - Alexandre Pires - #5
Now 5 - Vários -
O Clone - Banda Sonora -
Sucessos Portugueses em Gregoriano I - Divinus (4#1)
Swing When You Are Winning - Robbie Williams - #3/
Dreams Come True - Gabrielle - #4/
Love Sensuality Devotion - Enigma - #2 -
Câmara Lenta - GNR (2#1)
Under Rug Swept Alanis Morissette - #3
Laundry Service - Shakira (22#1)
The Best Of MTV - Vários
Filha do Mar - Banda Sonora - #3 
Freak Of Nature - Anastacia - #2
Uma Guitarra Com Gente Dentro - Carlos Paredes - #5/
A New Day Has Come - Celine Dion - #2
Só Eu Sei… - Juventude Leonina (5#1)
O Clone Internacional - Banda Sonora -
Slow Motion - Supertramp - #4/
18 - Moby - #4/
Sei Onde Tu Estás! Ao Vivo - Xutos & Pontapés - #3
Green Eyed Soul - Sarah Connor - #5/
Come Away With Me - Norah Jones (1#1)
Lenny - Lenny Kravitz - #5/
The Eminem Show - Eminem - #4/
Only A Woman Like You - Michael Bolton - #5/
Electronico - Madredeus - #5/
By The Way - Red Hot Chilli Peppers - #2
Sandy & Junior - Sandy & Junior -
Getting Away With It... Live - James - #3
Best Of Dance 2002 - Vários (Som Livre) -
Caribe Mix 2002 - Vários (Vidisco) -
Now 6 - Vários -
Martinho Definitivo - Martinho da Vila - #2
A Rush Of Blood To The Head - Coldplay - #3
Stars: Best Of 1992-2002 - Cranberries (1#1)
Forty Licks - Rolling Stones (2#1)
Hijas del Tomate - Las Ketchup (2#1) [ver também em 2003]
Euforia - Madredeus - #3
Live In Paris - Diana Krall - #4/
The Best Of 1990/2000 - U2 (4#1)
Momento - Pedro Abrunhosa (5#1) [ver também em 2003]
Las Vegas - Divas - #4/
Cabeças No Ar - Cabeças No Ar - #3
+

Balanço do Top nacional de álbuns

Shakira foi a rainha do top português em 2002. A cantora colombiana foi quem mais tempo passou no primeiro lugar do top nacional de vendas de álbuns ao longo do ano passado. Ao todo, Shakira foi durante 22 semanas a artista que mais vendeu em Portugal, com o álbum "Laundry Service".

Segundo o jornal Blitz, Shakira chegou ao lugar cimeiro do top a 19 de Março e só saiu definitivamente a 24 de Setembro. Isto porque o reinado foi interrompido por duas vezes - em Abril, pelo disco da Juventude Leonina (que foi número um durante cinco semanas), e em Junho, por Norah Jones (só durante uma semana).

A seguir a Shakira vem a Juventude Leonina e Pedro Abrunhosa com cinco semanas em primeiro (Abrunhosa é o actual número um). Depois vêm os U2 e os Divinus (quatro semanas no primeiro lugar do top), os Backstreet Boys (com três semanas), os GNR, os Rolling Stones e Las Ketchup (duas semanas) e, finalmente, Norah Jones, Cranberries e os Pink Floyd (que só foram primeiro durante uma semana). Segundo a AFP, terão sido este os discos mais vendidos em Portugal em 2002.

Site Antena 3, 24/02/2003


Discos mais vendidos - 2002

1 - Laundry Service - Shakira
2 - O Clone - Banda Sonora
3 - O Clone Internacional - Banda Sonora
4 - Now 6 - Vários
5 - Come Away With Me - Norah Jones
6 - A New Day Has Come - Celine Dion
7 - Sucessos Portugueses Em Gregoriano I - Divinus
8 - Freak Of Nature - Anastacia
9 - Câmara Lenta - GNR
10 - Best Of Dance 2002 - Vários (Som Livre)
11 - The Eminem Show - Eminem
12 - Só Eu Sei Porque Não Fico Em Casa - Juventude Leonina
13 - Escape - Enrique Iglésias
14 - Morango do Nordeste - Canta Bahia
15 - Martinho Definitivo - Martinho da Vila
16 - Caribe Mix 2002 - Vários (Vidisco)
17 - Greatest Hits Chapter One - Backstreet Boys
18 - Only A Woman Like You - Michael Bolton
19 - Sei Onde Tu Estás! Ao Vivo - Xutos & Pontapés
20 - Now 5 - Vários
21 - Getting Away With It… Live - James
22 - Swing When You Are Winning - Robbie Williams
23 - By The Way - Red Hot Chilli Peppers
24 - Filha do Mar - Banda Sonora
25 - Love Sensuality Devotion - Enigma
26 - Hijas del Tomate - Las Ketchup
27 - The Best Of MTV Unplugged - Vários (Universal)
28 - Lenny - Lenny Kravitz
29 - Sandy & Junior - Sandy & Junior
30 - Green Eyed Soul - Sarah Connor

Fonte: AFP

Disco A Recuperar, Mais Ainda em Crise

2002 correu melhor para a música portuguesa do que o ano anterior. Mas a ligeira retoma ainda é insuficiente para afastar o cenário de crise

Crise, crise e mais crise. Há ano e meio que não se fala de outra coisa. Na música, também. Tal como para outras áreas do entretenimento, a época de Natal também funcionou como balão de oxigénio para as editoras que viram os seus artistas portugueses venderem finalmente. Abrunhosa destacou-se com cinco semanas consecutivas no primeiro lugar do top de vendas de discos em Portugal, mas esse facto não elimina o essencial, como alguns responsáveis por editoras contactados pelo PÚBLICO reconhecem. A saber: as vendas de Natal evidenciam uma ligeira retoma, mas a crise está longe de ter sido debelada.

Durante anos, o advento do CD, e a consequente possibilidade de vender o mesmo, outra vez, sem grandes custos de produção, tinham contribuído para criar uma sensação de progresso. Depois de esgotados os fundos de catálogo, o decréscimo era inevitável. Em parte, por isso, gerou-se a ideia de crise. Uma ideia que conheceu, no ano passado, mais sintomas: quebra no número de discos vendidos, pirataria, despedimento de artistas e funcionários em editoras, lojas que encerraram (como a Valentim de Carvalho do Chiado) e o grosso das apostas discográficas a concentrar-se em edições que exigem pouco investimento - compilações, antologias e reedições. Nos catálogos nacionais a quase ausência de investimento em nomes novos constituiu mais um indício de que nem tudo ia bem.

No princípio de 2002, os Da Weasel (mais de 30 mil discos vendidos) e os GNR com a antologia "Câmara Lenta" (mais de 40 mil) foram os únicos que conseguiram aproximar-se dos números de outrora. Nesta conjuntura gerou-se desconforto entre os músicos portugueses, que pressentiram o divórcio do público. Formaram-se grupos de pressão - como a Associação Venham Mais Cinco - para que a lei de quotas da rádio (40 por cento de música portuguesa) fosse cumprida.

O efeito Natal

Os catálogos nacionais são essenciais para debelar a ideia de crise. Não é por acaso que os territórios que melhor lhe sobrevivem são aqueles cujo reportório local detém maior peso em facturação global. Em Portugal a relevância do reportório local é apenas de 13 por cento. É neste contexto que a época de Natal parece surgir como bóia de salvação para as editoras portuguesas.

No Natal, lançaram-se os discos dos consagrados na tentativa de se gerarem lucros mas, em simultâneo, correu-se o risco de, pela concentração de edições, alguns saírem lesados. Tozé Brito, responsável da multinacional Universal, fala dos resultados obtidos: "Houve uma concentração atípica nesta época, o que até pode ser suicidário, mas três discos nossos ficaram acima das expectativas: o Abrunhosa, que estava parado há três anos, esteve cinco semanas em 1º lugar do top [71 mil discos vendidos]; o Carlos do Carmo, que estava há quatro anos sem discos de originais, vai chegar ao ouro até final de Janeiro [15 mil discos vendidos e o seu primeiro álbum a alcançar o top 20 de vendas em Portugal]; e a Maria João & Mário Laginha, que são ouro. Em termos globais, 2002 foi melhor que 2001. Em vendas e resultados. Tivemos um resultado operacional 15 por cento superior, o que é bom."

A outra editora que tem um catálogo nacional de peso, a EMI-VC, também juntou uma série de lançamentos portugueses no Natal. Entre eles, os Cabeças no Ar (40 mil discos vendidos), Amália (10 mil), GNR (16 mil), Madredeus (36 mil) e Vitorino (10 mil). David Ferreira, responsável pela editora, é claro em relação a 2002: "Ficou aquém das expectativas." Os principais problemas, diz, são a rádio passar pouca música portuguesa e a pirataria.

De qualquer forma, em relação à música portuguesa, a EMI-VC vendeu mais 10 por cento em 2002 face a 2001. "Crescemos em facturação líquida absoluta 9,8 por cento. Mas as vendas globais desceram 1,9 por cento. O crescimento na música portuguesa não significa uma tendência de retoma. Tendo em conta os investimentos, estamos aquém do que desejávamos."

Os números conhecidos revelam que, afinal, o divórcio entre consumidores e música portuguesa poderá estar longe de ser um facto consumado (aos dados dos artistas mencionados acrescentam-se os 10 mil discos vendidos pelos Delfins na editora BMG).

Mas é necessário ter em conta que estes são números razoáveis num contexto de crise, mas muito inferiores aos melhores tempos da música portuguesa. Diz David Ferreira: "O mercado desceu tanto em 2001 que deveríamos subir o suficiente para que os portugueses representassem 16 por cento do total. De qualquer maneira subimos 10 por cento no mercado, o que não é mau."

Eduardo Simões, director da Associação Fonográfica Portuguesa, também fala de uma ligeira retoma no final de 2002, mas adverte que é preciso ter em atenção um factor. "Por um lado, estamos a comparar um ano mau com um ano péssimo - 2001. É natural que a partir de um ano de crise comecemos a ter evoluções percentuais que parecem animadoras." Isto é, adverte Simões, o cenário continua a ser preocupante: "É arrepiante a reduzida expressão que a música portuguesa tem."

O mais certo é que a indústria viva no espectro de crise enquanto não encontrar um novo suporte para substituir o clássico CD - o próximo passo pode ser oferecer CD com extras, DVD ou outro tipo de materiais. Mas a crise poderá ser atenuada antes. Quando os índices de consumo voltarem a normalizar, a formação de catálogos nacionais voltar a ser incrementada, a música conseguir competir ou integrar outro tipo de ofertas e, provavelmente, quando o preço dos CD baixar.

Vítor Belanciano, Público, 15/01/2003

domingo, 16 de maio de 2010

Vendas de discos 1979

Supertramp - Nov / 1979
Singles

Sultans Of Swing - Dire Straits - #
Recordar É Viver - Victor Espadinha (4#1)
Stayin' Alive - Bee Gees - #2
You're The One That I Want - John Travolta/Olivia Newton-John - #3
Bicycle Race - Queen - #3
Rasputin - Boney M - #2
Os Amantes - Mara Abrantes - #2
Cara de Gitana - Daniel Magal (5#1)
Tema de Márcio - Paulo Henrique - #4
Too Much Heaven - Bee Gees  - #3
Sobe Sobe Balão Sobe - Manuela Bravo - #4
Hallelujah - Milk And Honey With Gali (2#1)
Dschinghis Khan - Dschinghis Khan - #2
Onde Estão Teus Olhos Negros - The Fevers (1#1)
We're All Alone - Rita Coolidge (2#1)
Tragedy - Bee Gees - #3
I Will Survive - Gloria Gaynor - #4
Chiquitita - Abba (1#1)
Mulher Sentimental - Marco Paulo (1#1)
Da Ya Think I'm Sexy - Rod Stewart (3#1)
Born To Be Alive - Patrick Hernandez (1#1)
Ring My Bell - Anita Ward (1#1)
We Don't Talk Anymore - Cliff Richard (1#1)
Gotta Go Home - Boney M - #2
Papa Popeye - Marina - #11
++++

Albuns

30 Sucessos Explosivos - Vários (Polystar) (1#1)
O Nazareno - Frei Hermano da Câmara (3#1)
Jazz - Queen (1#1)
Stranger In Town - Bob Seger - #2
Spirits Having Flown - Bee Gees (5#1)
White Mansions - Vários (A&M) - #4
Fly Away - Voyage - #2
C'est Chic - Chic - #3
Disco Stars - Vários (2#1)
Breakfast In America - Supertramp (3#1)
Voulez Vous - ABBa (1#1)
Music For Unicef Concert - Vários - #2
Blondes Have More Fun - Rod Stewart - #4
Live Killers - Queen - #4
Explode Coração - Vários (Polystar) (2#1)
Os 22 - Vários (Polystar) (1#1)
Communiqué - Dire Straits - #6
++
++

dados recolhidos por consulta de algumas revistas Música & Som

_Ouro/79

Breakfast In America - Supertramp
O Nazareno - Frei Hermano da Câmara
Spirits Having Flown - Bee Gees
Voulez Vous - Abba

Canção Proibida - Marco Paulo
Onde Estão Teus Olhos Negros - The Fevers
Recordar É Viver - Victor Espadinha

_Prata/79

Communiqué - Dire Straits

Os Amantes - Mara Abrantes

_Ouro/80

Oceans Of Fantasy - Boney M

Cara de Gitana - Daniel Magal
Chiquitita - Abba
Mulher Sentimental - Marco Paulo
We Don't Talk Anymore - Cliff Richard

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Vendas de discos 1997


Discos mais vendidos - 1997

1 - Quase Tudo - Paulo Gonzo
2 - Saber A Mar - Delfins
3 - Spice - Spice Girls
4 - Feijão Com Arroz - Daniela Mercury
5 - Best Of - Vaya Con Dios
6 - Almost Heaven - Kelly Familly
7 - Romanza - Andrea Bocelli
8 - O Melhor de - António Variações
9 - Rio Grande - Rio Grande
10 - Backstreet Boys - Backstreet Boys

Fonte: AFP

Álbuns em destaque:

Saber A Mar - Delfins (4#1)
Ao Vivo - Luis Represas - #5
Best Of - Vaya Con Dios (5#1)
Tragic Kingdom - No Doubt - #3
Vivir - Enrique Iglésias - #2
Secrets - Toni Braxton - #3
Pop - U2 (2#1)
Evita - Madonna / Banda Sonora - #4
Rio Grande - Rio Grande (1#1)
The Definitive S&G - Simon & Garfunkel - #2
Spice - Spice Girls (6#1)
Dados Viciados - Xutos & Pontapés - #2
Backstreet Boys - Backstreet Boys - #2
O Melhor de - António Variações (4#1)
Quase Tudo - Paulo Gonzo (16#1)
Imitação da Vida - Maria Bethãnia - #4
The Fat Of The Land - Prodigy (1#1)
Almost Heaven - Kelly Familly - #2/
Backstreet's Back - Backstreet Boys - #3
Be Here Now - Oasis - #3
Feijão Com Arroz - Daniela Mercury (6#1)
Summer Dreams - Santana - #3
Timeless - Sarah Brightman - #5
Romanza - Andrea Bocelli (6#1)
O Paraíso - Madredeus - #2
Eros Ramazzotti - Eros Ramazzotti - #5
Spice World - Spice Girls - #3
Re-Load - Metallica - #3
Schubert Improvisos - Maria João Pires - #8
Segredo - Amália Rodrigues - #3
Let's Talk About Love - Celine Dion - #3
Dkj Poclecct - DJ Daniel -
Bacalhau Pimba - Quinzinho Portugal -
Dance Power - Vários (Vidisco)
Romantic Rock - Vários
++

Singles em destaque:

Candle In The Wind 97 - Elton John [3 discos de Platina]
Chegou o Noivo - Marco Paulo [disco de Platina]

 97-1217245-Madonna, Pet Shop Boys, Prince, Simply Red ou Tina Turner alternaram nos primeiro postos do top da AFP, onde só muito raramente assomava um espectro incaracterístico de artistas locais.

97-1411528- A EMI-VC terminou mais um ano na posição de líder de mercado com 21.64 por cento da facturação global, seguida da Polygram com 16.71 por cento.No sector específico do reportório nacional, a EMI foi também a companhia triunfadora com mais de 35 por cento do mercado, seguida da BMG com quase 19 e da Polygram com 11 por cento.

Público, 1997

Desde os Mamonas Assassinas a música brasileira não tinha um sucesso igual em Portugal.

Disco duplo de platina, a cantora baiana deve ser um dos quatro ou cinco artistas que ultrapassarão a marca dos 100 mil discos vendidos em 97 no país - os outros devem ser o português Paulo Gonzo, o italiano Andrea Bocelli, o grupo luso Delfins e as Spice Girls.

Carlos Pinto, presidente da Sony portuguesa, espera que Daniela e seu "Feijão com Arroz" ultrapasse Gonzo, que vendeu 180 mil discos.

Por enquanto, o CD já vendeu 90 mil cópias, sendo que 80 mil nos últimos quatro meses, quando a cantora chegou ao primeiro lugar nas paradas. E ela mantém o segundo posto há oito semanas.

O CD deixou os portugueses doidos para descobrir o que que a baiana tem. Nessa primeira turnê pelo país foi preciso dobrar o número de shows previstos. Eram três, passaram a seis (três no Porto e os outros em Lisboa). Os ingressos se esgotaram com quase um mês de antecedência.

"A música brasileira teve grande sucesso nos anos 80. Mas era restrita a um público adulto. Os jovens que gostam de Daniela ouvem Oasis e outros grupos de rock", diz Pinto.

Luiz Antônio Ryff, Folha de S. Paulo, 02/12/1997

Hiper-Top de Mercado

Criado para servir de "termómetro" ao mercado discográfico em Portugal, o Top de Vendas da Associação Fonográfica Portuguesa lá nos vai dizendo, semanalmente, quem vende mais e o que é que se vende. E por muitas e impensáveis surpresas que ali possam por vezes aparecer, o facto é que contra números não há argumentos. Assim sendo, aqui ficam os "10 Mais" na primeira semana de Abril: 1- Spice Girls, "Spice", 2- Delfins, "Saber A-Mar; 3- Xutos & Pontapés, "Dados Viciados"; 4- No Doubt, "Tragic Kingdom"; 5- U2, "Pop"; 6- Rio Grande, "Rio Grande"; 7- Vaya Con Dios, "Best Of"; 8- Supertramp, "Some Things Never Change"; 9- Santos e Pecadores, "Love?"; 10- Enrique Iglesias, "Vivir".

Musicnet - 16 Abril 1997
http://www.musicnet.forum.pt/ecos/arq_noti/abril16.htm

Exame - Volume 10 - Página 60 (1999)

Artista Título Unidades Galardão

Delfins O Caminho da Felicidade 240 000 Sêxtupla platina
Delfins Saber a Mar 200 000 Quíntupla platina
Pedro Abrunhosa Tempo 160 000 Quádrupla platina
Paulo Gonzo Quase Tudo 160 000 Quádrupla platina
Romanza 160 000 Quádrupla platina
Daniela Mercury Feijão com Arroz 160 000 Quádrupla platina
Rio Grande Rio Grande 120 000 Tripla platina
Vaya con Dios Best of 120 000 Tripla platina
Luís Represas Ao Vivo No CCB 80 000 Dupla Platina
The Kelly Family Almost Heaven 80 000 Dupla Platina

Segundo dados da Associação Fonográfica Portuguesa, os artistas mais vendidos em Portugal durante o ano de 1997 foram portugueses. Aos Delfins cabe simultaneamente a primeira e segunda posições do top com mais de 240 000 e 200 000 discos vendidos.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Vendas de discos 2003

Tribalistas

Discos mais vendidos - 2003

1 - Tribalistas - Tribalistas
2 - Live Summer 2003 - Robbie Williams
3 - O Concerto Acústico - Rui Veloso
4 - Now 8 - Vários
5 - Escapology - Robbie Williams
6 - As Músicas da Carochinha - Canções da Carochinha
7 - Fallen - Evanescence
8 - Fado Curvo - Mariza
9 - Adiafa - Adiafa
10 - Saber Amar - Banda Sonora
11 - Fado Em Mim - Mariza
12 - Momento - Pedro Abrunhosa
13 - Focus - Ennio Morricone/Dulce Pontes
14 - O Irmão do Meio - Sérgio Godinho
15 - Now 9 - Vários
16 - Falar Por Sinais - João Pedro Pais
17 - Meteora - Linkin Park
18 - Now 7 - Vários
19 - Cabeças No Ar - Cabeças No Ar
20 - Let Go - Avril Lavigne
21 - New Wave - Banda Sonora
22 - A Rush Of Blood To The Head - Coldplay
23 - Ao Vivo No Pavilhão Atlântico - Tony Carreira
24 - Molibeat 2 - Vários (Som Livre)
25 - RFM - Vários (Som Livre)
26 - Operação Triunfo - Acreditar "O Album" - Vários (BMG)
27 - Mended - Marc Anthony
28 - Come Away With Me - Norah Jones
29 - Hijas del Tomate - Las Ketchup
30 - Mulheres Apaixonadas - Banda Sonora
31 - 8 Mile - Banda Sonora
32 - Italia Ti Amo - Vários (Som Livre)
33 - Laundry Service - Shakira
34 - Oceano Pacífico III - Vários (EMI-VC)
35 - Best Of Dance 2 - Vários (Som Livre)
36 - Life For Rent - Dido
37 - St. Anger - Metallica
38 - Sing Me Something New - David Fonseca
39 - Sacred Love - Sting
40 - In Time: The Best Of R.E.M. 1988/2003 - R.E.M.
41 - Divorcio - Julio Iglésias
42 - Porto Campeão - Super Dragões
43 - Live In Texas - Linkin Park
44 - Maria Rita - Maria Rita
45 - Fora de Mão - Luis Represas
46 - One Heart - Celine Dion
47 - This Is Me... Then - Jennifer Lopez
48 - The Best Of Fado - Um Tesouro Português - Vários (EMI-VC)
49 - The Ballads Hits - Roxette
50 - Letra e Música 15 Anos Depois - Carlos Paião

Fonte: AFP

Álbuns em destaque:

Hijas del Tomate - Las Ketchup (2#1)
Momento - Pedro Abrunhosa (1#1)
Escapology - Robbie Williams (5#1)
Mended - Marc Anthony - #2
8 Mile - Banda Sonora - #2
100th Window - Massive Attack - #2
Let Go - Avril Lavigne -
Adiafa - Adiafa (6#1)
Diamonds Are Inside - Ben Harper - #3
Fado Em Mim - Mariza - #4
Meteora - Linkin Park (2#1)
One Heart - Celine Dion - #3
The Dark Side Of The Moon - Pink Floyd - #3
O Irmão do Meio - Sérgio Godinho (3#1)
Fado Curvo - Mariza - #2
Letra e Música 15 Anos Depois - Carlos Paião - #3
Porto Campeão - Super Dragões (3#1)
Sing Me Something New - David Fonseca - #2
St. Anger - Metallica (4#1)
Hail To The Thief - Radiohead - #3
As Nossas Canções - Marco Paulo - #2
Tribalistas - Tribalistas (15#1)
Fallen - Evanescence - #2
Cabeças No Ar - Cabeças No Ar - #3
Love Songs - Julio Iglésias - #3
Os Primeiros 10 Anos - Santos & Pecadores - #3
Falar Por Sinais - João Pedro Pais - #4
Ao Vivo No Pavilhão Atlântico - Tony Carreira - #2
Sacred Love - Sting - #2
Live Summer 2003 - Robbie Williams (5#1)
Results May Vary - Limp Bizkit - #4
The Antidote - Moonspell - #4
Life For Rent - Dido - #4
Focus - Ennio Morricone/Dulce Pontes - #3
In Time The Best Of R.E.M. 1988/2003 - R.E.M. - #4
Divorcio - Julio Iglésias - #4
O Concerto Acústico - Rui Veloso (6#1)
Live In Texas - Linkin Park - #4


(Discos que atingiram as primeiras posições entre Janeiro e Dezembro de 2003 )

As Músicas da Carochinha - Vários (Som Livre)
Saber Amar - Banda Sonora
Now 7 - Vários
Now 8 - Vários
Now 9 - Vários
New Wave - Vários
Molibeat 2 - Vários
RFM - Vários
Operação Triunfo Acreditar - Vários
Mulheres Apaixonadas - Banda Sonora

Galardões

Rui Veloso - 3P; Tribalistas - 4P; Live Summer 2003 - 2P; Ao Vivo No Pavilhão Atlântico - 2P; Fado Em Mim (2002) - 2P; Fado Curvo - 1P; Escapology - 1P; Focus - O; Cabeças No Ar - 1P; João Pedro Pais -1P; Momento (2002) - 2P; Forty Licks - 1P; Fallen - 1P; Palco - 1P; Meteora - O;

CD Caíram 10 por Cento

A crise está cada vez mais presente no mundo da música. Os portugueses compram menos CD devido à falta de dinheiro e aos "downloads", que, como no estrangeiro, têm subido exponencialmente em Portugal. Mesmo assim, a música portuguesa conseguiu colocar cinco álbuns entre os dez mais vendidos em 2003.

A quebra em 2003 ficou perto dos 10 por cento e o número de unidades vendidas não conseguiu chegar aos 10 milhões, segundo os dados da Associação Fonográfica Portuguesa (AFP). As novidades baixaram as vendas em 17 por cento em relação a 2002, enquanto os restantes CD sofreram uma quebra na ordem dos 10 por cento. Reflexo da crise, os CD em promoção ("budget") contrariaram a tendência e aumentaram as vendas em 59 por cento. Apesar deste quadro, há quem não se queixe, como a editora EMI-Valentim de Carvalho, que aumentou a sua quota de mercado para 23 por cento, mais quatro por cento em relação a 2002.

O Natal é sem dúvida o salvador das vendas discográficas, segundo os dados da AFP. "O concerto acústico" de Rui Veloso conseguiu alcançar a terceira posição no "top ten" de vendas, apesar de só ter sido posto à venda na época natalícia. O mesmo fenómeno aconteceu na Fnac com o álbum "Maria Rita", da cantora com o mesmo nome, que chegou ao 10.º lugar nas vendas do ano apesar de ter chegado ao mercado muito perto do Natal.

Para a música portuguesa, 2003 até foi um ano positivo - cinco álbuns estiveram entre os dez mais vendidos, segundo os dados da AFP: "Concerto acústico", de Rui Veloso (3.º lugar), a colectânea "As canções da carochinha" (6.º lugar), "Fado Curvo", de Mariza (8.º lugar), "Adiafa", dos Adiafa (9.º lugar), e a banda sonora original de "Saber Amar" (10.º lugar). O grande sucesso do ano também foi cantado em português e coube ao álbum de estreia dos Tribalistas, "Tribalistas". Robbie Williams ocupou o 2.º e o 5.º lugar com "Live Summer 2003" e "Escapology", respectivamente. A colectânea "Now 8" (4.º lugar) e "Fallen", dos Evanescence (7.º lugar), completam a lista dos mais vendidos. Seis desses álbuns foram colocados no mercado pela EMI.

Carla Gonçalves de Almeida, Público, 24/02/2004

O álbum de estreia homónimo dos brasileiros Tribalistas foi o mais vendido em 2003 em Portugal, divulgou Sexta-feira, 9 de Janeiro, a Associação Fonográfica Portuguesa (AFP).
"Tribalistas" foi editado em Novembro de 2002, mas só no ano seguinte atingiu a quádrupla platina em Portugal, com vendas superiores a 160 mil unidades.

De acordo com a AFP, o disco de platina é atribuído por vendas superiores a 40 mil cópias, enquanto que o disco de ouro se refere a 20 mil unidades vendidas e o disco de prata a 10 mil cópias.

O segundo álbum de originais mais vendido em 2003 foi "O Concerto Acústico", de Rui Veloso, editado em Novembro do ano passado, que arrecadou a tripla platina (120 mil discos), referente a 60 mil unidades vendidas, já que as regras da AFP indicam que as vendas de álbuns duplos contam a dobrar.

AM / Cotonete, 10/01/2004

Segundo noticía o PUBLICO a 24 de Fevereiro, e de acordo com os dados da Associação Fonográfica Portuguesa, apesar da venda de CD ter reduzido dez por cento em 2003, cinco discos portugueses estiveram entre os dez mais vendidos: «Concerto Acústico» de Rui Veloso (3º lugar), a colectânea “As canções da Carochinha” (6º lugar), «Fado Curvo» de Mariza (8º lugar), «Adiafa» dos Adiafa (9º lugar) e a banda sonora original de «Saber Amar» (10º lugar).

-----
Os discos mais vendidos em Portugal e os que passam na rádio

O disco mais vendido em Portugal em 2003 foi o álbum "Tribalistas", do grupo brasileiro com o mesmo nome, sendo que, entre os 30 mais vendidos, 13 são de artistas portugueses, anunciou a Associação Fonográfica Portuguesa (AFP) e a AC Nielsen Portugal. As conclusões baseiam-se nas vendas apuradas pelos tops semanais da AFP e revelam que os CD de Rui Veloso, Mariza, Adiafa, Pedro Abrunhosa, Dulce Pontes e Sérgio Godinho estão entre os 15 mais vendidos. Em contraste com esta lista, a AFP apresentou os resultados de um estudo feito pela Music Control (empresa responsável pela monitorização de 16 estações de rádio 24 horas por dia), que indica que, dos 30 temas mais tocados nas rádios com maior audiência em Portugal, apenas cinco são portugueses e nenhum corresponde aos sete álbuns mais vendidos.

Fonte: Jornal Público 09/02/2004

portugueses no Top 30 dos mais vendidos de 2003: Rui Veloso/Mariza/Adiafa/Pedro Abrunhosa/Dulce Pontes /Sérgio Godinho/João Pedro Pais/Cabeças No Ar/Tony Carreira/As Músicas da Carochinha/Operação Triunfo.

Fonte: Blitz, 10/02/2004

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Discos Preciosos 1987

Ganhar um disco de ouro em Portugal é agora tarefa mais fácil com as novas tabelas que a UNEVA achou por bem baixar no final do mês passado quando reconheceu que as exigências antigas eram difíceis de alcançar num mercado como o nosso.

É assim, por exemplo, que os GNR e também os Xutos e Pontapés já têm discos de prata pelas vendas dos seus últimos álbuns.

Bastou terem vendido 10 mil exemplares contra os 15 mil que era necessário aqui há um mês atrás.

Doravante, um single de prata «custa» 15 mil exemplares (antes eram 25 mil), de ouro 30 mil (50 mil) e de platina 60 mil (100 mil).

Para se ganhar um álbum de prata é preciso vender 10 mil exemplares (15 mil), de ouro 20 mil (30 mil) e de platina 40 mil (60 mil).

LPA, Blitz, 21/Abril/1987

O álbum "Circo De Feras" dos Xutos & Pontapés foi galardoado com um disco de prata por vendas superiores a 10 000 exemplares.

A UNEVA, organismo responsável pela atribuição dos Discos de Prata, Ouro e Platina, anunciou entretanto que decidiu reduzir os números mínimos para a obtenção daqueles galardões. Assim, a partir do início do ano o valor necessário para a atribuição de disco de Prata passou para 10 000 exemplares, o valor para disco de Ouro passou para 20 000 exemplares e o valor para disco de Platina passou para 40 000 exemplares. Anteriormente estes valores eram respectivamente de 15 000, 30 000 e 60 000 discos vendidos.

Por força da aplicação destes novos critérios, são também discos de prata os álbuns "Psicopátria" dos GNR e "Agora e Sempre". de José Afonso. "Rui Veloso" passou para disco de ouro.

Blitz, 21/Abril/1987

//antes de 1987//

Álbuns

Prata - 15.000
Ouro - 30.000
Platina - 60.000

Singles

Prata - 25.000
Ouro - 50.000
Platina - 100.000

//1987//

Álbuns

Prata - 10.000
Ouro - 20.000
Platina - 40.000

Singles

Prata - 15.000
Ouro - 30.000
Platina - 60.000

//1989//

Prata - 10.000
Ouro - 20.000
Platina - 40.000

(igual para singles e álbuns)

//2005//

Álbuns

Ouro - 10.000
Platina - 20.000

terça-feira, 11 de maio de 2010

Silence 4


(imagem: Revista Billboard, 21/11/1998)

Concorremos a um concurso, o Festival Termómetro Unplugged, no Porto, foi o segundo concerto que demos. Ganhámos e recebemos quinhentos contos. Gastámos o dinheiro em maquetas, aliás só passado um ano é que recebemos o dinheiro, demos entrevistas e resolvemos tentar gravar um disco. Fomos a todas as editoras e todas diziam o mesmo: cantar em inglês, nem pensar. Houve algumas que até disseram que, se gravássemos em português, produziam o disco. Caprichos do mercado. Portanto, borrifei-me. Entretanto, o Luís Couradinho convidou-os para gravarmos uma música numa compilação contra o racismo, «Sons de todas as cores». Fizemos uma versão do «Respect» dos Erasure. Gravámos numa tarde, fizemos aquilo às três pancadas e, depois, fomos para casa.

Foi à Universal, na altura ainda Polygram, uma das que nos tinham recusado, eles lá se mostraram interessado, assinámos, mas avisaram: «Atenção, vocês são uma banda de risco, cantam em inglês, não vão vender nada, vamos só gravar e ver o que dá». Gravámos com um orçamento mínimo, cinco mil contos. Não é nada... Não receberíamos «royalties» até chegar aos dez mil discos. Como não perdíamos dinheiro, pensei: Bem eles estão malucos, mas embora lá. Achava impossível vender dez mil discos.

Dez, doze por cento. Numa grande editora é assim para todas as bandas. Fazer discos em Portugal não dá dinheiro a ninguém.

- São uma banda completamente desconhecida, lançam o «Silence Becomes It» e vendem 240 mil cópias.

É verdade, foi o maior negócio da Polygram nos últimos anos.

- Então, e não ganharam dinheiro nenhum com isso?

Ganhámos - doze por cento em cada disco a dividir pelos quatro. Deve dar a cada elemento da banda perto de trinta escudos por disco vendido. Não é lá muito! Eu achava muita piada quando alguém vinha ter comigo e dizia: «Comprei o teu CD, fui um dos que ajudaram a comprar o teu carro!». E eu dizia: «Se quiseres eu dou-te os trinta escudos e fico de consciência tranquila» (risos). As pessoas não têm a noção.

Foi em 1998. Nesse ano quantos concertos fizeram?

Fazíamos todo o tipo de concertos, em todo o lado. Por ninharias. Não ganhámos praticamente nada. Foi um investimento em nós. Fizemos noventa concertos em seis meses. Tocávamos pelo país inteiro. Passado um mês de ter sido lançado, «Silence Becomes It» é disco de ouro.

- Este segundo disco, «Only Pain Is Real», vendeu muito menos. Isso afectou-o?

Não. É-me indiferente. Mesmo assim, vendeu cento e tal mil exemplares. Vender um número de discos como vendemos o primeiro acontece uma vez na vida. Já sabia que ia acontecer. Se chegasse a uma platina era uma sorte do caraças. De qualquer modo, não é isto que quero fazer para o resto da minha vida.

(Expresso, 2000)

O duplo disco platina - 80 mil unidades - que receberam das mãos de Nuno Faria, o A&R nacional da Polygram, nem sequer corresponde à verdadeira dimensão dos números. À hora em que recebiam os galardões, os Silence 4 contavam já cerca de 97 mil unidades vendidas. E a par de Pedro Abrunhosa, dos Excesso e de Maria João Pires, passarão em breve, tudo indica, a constar dos anais da editora como quarta banda do seu catálogo nacional a ultrapassar a emblemática fasquia das 100 mil cópias vendidas. E se se atender ao facto de os dados corresponderem unicamente à realidade portuguesa, a exportação da banda, cujas negociações apontam como certa, parece garantir nova extrapolação dos números.

29/09/1998

Música: Silence 4 alcançam disco de platina

Os Silence 4 vão receber na próxima quinta-feira o disco de platina por vendas superiores a 40 mil cópias do novo álbum "Only Pain Is Real".

O galardão vai ser entregue no Clube de Natação da Amadora, onde treina o Grupo de Natação Sincronizada que "dançou" debaixo de água para as filmagens do vídeo de "To Give", o mais recente single do quarteto de Leiria.

A elaboração do top de vendas nacional pela Associação Fonográfica Portuguesa e a consequente atribuição dos galardões de prata, ouro ou platina refere-se, contudo, a vendas de CD das editoras para as lojas e discotecas. Não existe, por enquanto, em Portugal, um sistema que possibilite saber quais os números reais de vendas de discos ao público.
Os Silence 4 vão, entretanto, iniciar uma mini-digressão de 14 espectáculos pelo país, como noticia hoje a Lusa.

"Only Pain Is Real" é um disco com uma produção mais cuidada ao nível das orquestrações e arranjos do que o álbum de estreia, "Silence Becomes It". Destaque para o single "To give", uma canção que depressa ganhou força no "airplay" das rádios e para "Ceilings", a estreia de Sofia Lisboa na interpretação de metade de um tema sem ser acompanhada pelo vocalista, David Fonseca.

31/10/2000

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Vendas de discos 1983


Lp's mais vendidos (Música & Som)

1 - Body Wishes - Rod Stewart
2 - Crises - Mike Oldfield
3 - Concert In Central Park - Simon & Garfunkel
4 - Final Cut - Pink Floyd
5 - 20 Greatest Hits - Beatles
6 - Let's Dance - David Bowie
7 - Thriller - Michael Jackson
8 - Business As Usual - Men At Work
9 - Fado Bailado - Rao Kyão
10 - Famous Last Words - Supertramp

Nacionais: 1-Fado Bailado; 2-José Afonso Ao Vivo No Coliseu; 3-Anjo da Guarda

Singles Mais Vendidos (M&S) 1983

1 - Let's Dance - David Bowie
2 - Quando O Coração Chora - Romeu E Julieta
3 - Moonlight Shadow - Mike Oldfield
4 - Baby Jane - Rod Stewart
5 - Midnight Blue - Dreamers
6 - Do You Really Want To Hurt Me - Culture Clube
7 - Too Shy - Kajagoogoo
8 - L' Italiano - Toto Cotugno
9 - Africa - Toto
10 - It´s Raining Again - Supertramp
11 - Is There Something I Should Know - Duran Duran
12 - Words - F.R. David
13 - Dolce Vita - Ryan Paris
14 - Billie Jean - Michael Jackson
15 - I Don't Wanna Dance - Eddy Grant
16 - Up Where We Belong - Joe Cocker / Jennifer Warnes
17 - Life Line - Spandau Ballet
18 - Portuguesa Bonita - José Cid
19 - Flashdance...What A Feeling - Irene Cara
20 - Save A Prayer - Duran Duran

Nacionais: 1-Quando O Coração Chora; 2-Portuguesa Bonita; 3-Esta Balada Que Te Dou

Discos que se destacaram durante o ano de 1983:

Álbuns

O Som do Êxito - Vários (Polystar) (3#1)
Amália Fado - Amália Rodrigues - #3
Concert In Central Park - Simon & Garfunkel (10#1)
Amiga - Roberto Carlos - #2
Famous Last Words - Supertramp - #2
The Kids From Fame - Banda Sonora (RCA) - #3
Os Concertos na China - Jean Michel Jarre - #2
Hooked On Classics - Royal Philharmonic Orchestra - #3
Ao Vivo No Coliseu - José Afonso (1#1)
Business As Usual - Men At Work (1#1)
Thriller - Michael Jackson - #2
Fado Bailado - Rão Kyao (2#1)
A Flock Of Seagulls - A Flock Of Seagulls - #3
Love Play - Vários (Polystar) (2#1)
The Final Cut - Pink Floyd (7#1)
True - Spandau Ballet - #2
Killer On The Rampage - Eddy Grant - #3
Stars From Unicef - Vários (Polydor) - #3
Let's Dance - David Bowie (4#1)
Coincidências - Sérgio Godinho - #3
Summer Stars 83 - Vários (Polystar) (1#1)
Body Wishes - Rod Stewart (6#1)
Genius - Vários (CBS) - #2
O Discão do Ano - Vários (RT) - #3
Crises - Mike Oldfield (6#1)
En Concierto - Julio Iglesias - #3
Private Collection - Jon & Vangelis - #4
20 Greatest Hits - The Beatles (6#1)
An Officer And a Gentlrman - Banda Sonora - #3
Born To Love - Roberta Flack / Peabo Bryson - #2
Superdisco - Vários (Edisom) (3#1)
Polystar - Vários (Polystar) - #2
Flashdance - Banda Sonora - #3
Jackpot - Vários (EMI) (1#1)
Anjo da Guarda - António Variações
De Niña A Mujer - Julio Iglesias
+

Singles

Words - F.R. David (6#1)
Don't Go - Yazoo - #2
Talk Talk - Talk Talk - #3
The Look Of Love - ABC - #3
Heartbreaker - Dionne Warwick - #4
It´s Raining Again - Supertramp - #2
Quando O Coração Chora - Romeu & Julieta (8#1)
Abbracadabra - Steve Miller Band - #3
Save A Prayer - Duran Duran - #4
Do You Really Want To Hurt Me - Culture Clube (4#1)
Midnight Blue - Dreamers - #2
Zoom - Fat Larry's Band - #5
Too Shy - Kajagoogoo (4#1)
Life Line - Spandau Ballet - #4
Always Something There… - Naked Eyes - #3
Is There Something... - Duran Duran (3#1)
Si La Vie Est Cadeau - Corinne Hermès - #2
Down Under - Men At Work - #3
Let's Dance - David Bowie (11#1)
Africa - Toto - #2
Portuguesa Bonita - José Cid - #3
Baby Jane - Rod Stewart - #2
I Don't Wanna Dance - Eddy Grant - #2
Moonlight Shadow - Mike Oldfield (6#1)
Billie Jean - Michael Jackson - #3
L' Italiano - Toto Cotugno (7#1)
Dolce Vita - Ryan Paris - #3
Up Where We Belong - Joe Cocker / Jennifer Warnes (2#1)
Flashdance...What A Feeling - Irene Cara (1#1)
Tonight I Celebrate - Roberta Flack / Peabo Bryson (1#1)
Lindo Balão Azul - Pim Pam Pum
Esta Balada Que Te Dou - Armando Gama
Vladimir Illitch - Michel Sardou
Sunshine Reggae - Laid Back

+
+

Roberto Carlos (com pelo menos 160 mil discos vendidos) e Júlio Iglésias (105 mil) foram os maiores recordistas dos cerca de sete milhões de discos vendidos em 1983 em Portugal.

Entre os outros recordistas figuram ainda a dupla Simon e Garfunkel (60 mil), Supertramp (55 mil), José Cid (cem mil), Duo Romeu e Julieta (cem mil), Marco Paulo (85 mil), Mário Gil (50 mil), Heróis do Mar (50 Mil) e Rão Kyao (30 mil).

Foram atribuidos 75 galardões, dos quais três foram «discos de platina», 24 de «ouro» e 48 de «prata», contra 108 obtidos em 1982 (70 de «prata» e 38 de «ouro»).

De acordo com vários especialistas de etiquetas, em termos de vendas, o ano que terminou pode ser considerado como a continuação de uma crise para a indústria discográfica portuguesa iniciada em 1982.

Em 1983 foram vendidos cerca de sete milhões de discos (singles, lp's e cassettes), contra oito milhões em 1982, nove milhões em 1981 e sete milhões em 1980.

Os grandes vencedores de vendas em 1983, segundo dados fornecidos pelo Grupo Português de Produtores de Fonogramas e Videogramas (órgão que controla a distribuição dos discos, de platina, ouro e prata) acabaram por ser Roberto Carlos e Júlio Iglésias, como artistas estrangeiros, o José Cid e o Duo Romeu e Julieta, como artistas portugueses.

Dos 75 galardões atribuídos em 1983, entre artistas nacionais e estrangeiros, os estrangeiros dominaram em cerca de 70 por cento a distribuição dos galardões máximos da indústria discográfica portuguesa.

Recorda-se que em Portugal é necessário vender 60 mil lp's ou cem mil singles para se obter um «disco de platina», 30 mil lp's ou 50 mil singles para um «disco de ouro» e 15 mil lp's ou 25 mil singles para um «disco de prata».

No ano que passou receberam «disco de platina» os seguintes artistas: Roberto Carlos (pelo lp «O Amor é a Moda»), Simon and Garfunkel (duplo-album «The Concert in Central Park») e o Duo Romeu e Julieta (single «Quando o Coração Chora»).

Receberam «disco de ouro» os seguintes artistas portugueses, dos 24 atribuídos pelo Grupo Português de Produtores de Fonogramas e Videogramas (GPPFV) até à última semana de Dezembro: «Portuguesa Bonita» (José Cid), «Amar como Jesus Amou» (José Cid), «Caminhos de Portugal» (Mario Gil), «Amor» (Heróis do Mar), «o disco de ouro» (Marco Paulo, com dois galardões) e «Fado Bailado» (Rão Kyao).

Ou seja, dos 24 «discos de ouro» atribuidos pelo GPPFV, sete pertenceram a artistas portugueses e 17 a estrangeiros (cerca de três quartos do total), como Rod Stewart (lp «Body Wishes» e single «Baby Jane»), Raffaella Carra (single, «Mamma Dammi 100 Lire»), banda sonora do filme «Fame», Supertramp (LP «The Famous Last Words»), Júlio iglêsias (LP's «Momentos», «de Nina á Mujer» e «En Concierto»), Roberto Carlos: (LP´s «Amiga», «Emoções» e «O Amor é a Moda»), Simon and Garfunkel (três galardões para o duplo-álbum «The Concert in Central Park»), Jean-Michel Jarre (duplo-álbum «Os Concertos na China»), Abba (duplo-álbum «The Singles») e Toto Cotugno (single «L´Italiano»).

Quanto aos «discos de prata» em 1983 foram os seguintes artistas e grupos portugueses que foram distinguidos: Terra a Terra (LP «Pelo Toque da Viola«), Júlio Pereira (LP «Cavaquinho»), Fausto (duplo-álbum «Por este Rio Acima»), Rão Kyao (LP «Fado Bailado»), Roberto Leal (single «Que Bela Vida» e LP «Foi Preciso Navegar»), Duo Broa de Mel (single «Passear Contigo»), Marco Paulo (single «Flor sem Tempo»), Rui Veloso (LP «Fora de Moda»), Lena D'Água (LP «Perto de Ti»), António Variações (LP «Anjo da Guarda», Carlos do Carmo (LP «Um Homem no Pais») e Ana Faria («Brincando aos Clássicos-2»).

Ou seja, dos 48 «Discos de prata» atribuídos pelo GPPFV, 13 foram para artistas portugueses e os restantes 35 (também cerca de três quartos do total) para estrangeiros: Corinne Hermes (single «Si La Vie Est Cadeau»), banda sonora da série televisiva «The Kids From Fame», Barbra Streisand (LP's «Memories» e «Guilty»), Men at Work (LP «Business as Usual»), Supertramp (single «It's Raining Again»), ABC (lp «Lexicon of Love»), Dreamers (single «Midnight Blue»), Michael Jackson (LP «Thriller»), Eddy Grant (LP «Killer on the Rampage» e single «I Don't Wanna Dance»), lrene Cara (single «Flashdance - What a Feeling»), Robin Gibb (single «Juliet», Toto (LP «Toto lV») e banda sonora original do filme «Flashdance».

Outros artistas ou grupos estrangeiros galardoados com «discos de prata» foram os «campeões» Roberto Carlos (seis galardões) e Júlio Iglésias (quatro), além de Rod Stewart (um), Medley «Hooked on Classics» (um), Simon and Garfunkel (dois), Supertramp (um), Jean-Michel Jarre (um), Steve Miller Band (um), Dexy's Midnight Runners (um), Roxy Music (um), Dire Straits (um) e banda sonora do filme «Fame» (um).

É ainda de salientar que durante o primeiro semestre de 1983 foram vendidos aproximadamente três milhões de discos, número que (...) os referidos cerca de sete milhões de unidades com as vendas de Natal.

Diário de Lisboa, 27/01/1984

Os grandes vencedores de vendas em 1983 foram Roberto Carlos e Júlio Iglésias, como artistas estrangeiros, e José Cid e o Duo Romeu e Julieta, como artistas portugueses.

CARLOS GUILHERME

O livro de José Soares Neves refere alguém da editora Edisom que diz que o disco mais vendido de sempre em Portugal (200.000) é um single de Carlos Guilherme com embora o disco apareça com o nome trocado. Na Enciclopédia da Música Ligeira referem que o single do Duo Romeu e Julieta vendeu 100 mil exemplares.

"Em 1982 gravei o single com o tema Quando o Coração Chora, que foi disco de platina e vendeu 200 mil cópias legais, que contribuiu para que me tornasse mais conhecido." Carlos Guilherme, Revista 30 Dias

JOSÉ CID

Na biografia de José Cid, constante do seu site, diz: "Portuguesa Bonita" e "Amar como Jesus Amou" são os singles mais vendidos desse ano (respectivamente, 250 e 350 mil exemplares).

O mesmo texto também  refere o seguinte:

LP/CD - Os Grandes, Grandes Êxitos - Solo - 1ª Tripla Platina de Portugal
LP/CD - Os Grandes, Grandes Êxitos I (1º dupla platina da música portuguesa).

Na altura (1981) ainda não existiam discos de platina nem o formato CD. Tratava-se de um disco duplo em vinil. Foi editado um segundo volume também em formato duplo.

"José Cid continua a ser um verdadeiro campeão de popularidade: os oito discos de ouro, os vinte e cinco álbuns de prata e os três galardões de platina constituem prova irrefutável do seu valor e da sua aceitação junto do grande público" (em outro texto de 1998 encontrado na net)

domingo, 9 de maio de 2010

Made In Portugal

Até que a morte os separe?

Quem vende mais? Madredeus ou Quim Barreiros? Cidália Moreira ou Resistência? E será que gostavam de conviver e trocar galanteios num mesmo programa? A partir de Março, a RTP propõe-se resolver estes e outros dilemas.

O próximo mês traz a promessa de uma nova tabela de vendas fonográficas em Portugal. O que há até agora é o «top» da Associação Fonográfica Portuguesa (AFP), calculado por consultas a retalhistas e produtoras fonográficas e difundido na RTP através do programa Top Mais. Esta tabela elege semanalmente os fonogramas mais vendidos entre nós, de produção nacional ou estrangeira, mas limita-se às companhias inscritas nesta organização, sobretudo as divisões portuguesas das multinacionais.

A maior parte das pequenas companhias encontra-se, em contrapartida, ligada à Associação Fonográfica Independente (AFI), que tem, mais concretamente, 16 membros -- embora nem todos sejam produtoras de música -- e que até aqui não teve um «top» próprio. Ora, uma boa parcela da música que se grava e lança no nosso país tem origem nessas empresas e está assim à espera de ganhar expressão através da nova tabela de vendas. O primeiro passo terá sido dado por Luís Serra, secretário da AFI, e do contacto com a RTP nasceu a ideia de um programa de divulgação de um «top» supra associações, que terá por único critério tratar-se de fonogramas de produção e expressão portuguesa -- o que é suficientemente lato para incluir brasileiros e africanos que gravam no nosso país -- mais vendidos em Portugal.

A emissão do primeiro programa, segundo Joaquim Silveira, do departamento de programas da RTP, está agendada para o próximo dia 6 de Março e a série que inaugura tem previstos 13 capítulos. Cada programa, difundido ao domingo ao fim de tarde, terá a duração de cerca de meia hora, em que, além de um magazine de notícias, a dita tabela será ilustrada com a passagem de telediscos ou, na sua ausência, de registos dos artistas em estúdio. A concepção e produção foi confiada à Valentim de Carvalho, que agora está a ultimar o projecto. Os cenários não foram ainda escolhidos, a pessoa que se encarregará da apresentação também não. O mais provável é ser uma apresentadora de perfil não excessivamente popular, segundo nos confiou Francisco Vasconcelos, administrador desta produtora, que também adiantou o nome de Sofia Morais (ex-apresentadora do Pop Off e actual locutora da XFM) como possível candidata ao lugar.

Faltam cerca de 15 dias para o arranque, porém tudo está ainda por um fio. Para a AFI não há problemas, segundo o seu representante Artur Soares, que assegura que a sua associação procederá à compilação semanal dos dados fornecidos pelas companhias que representa. Mas a AFP não participará enquanto tal no novo «top», como nos explicou o seu actual presidente, Tozé Brito, também administrador da BMG Portugal. O ponto é que, como a AFP já possui a sua própria tabela de vendas oficiais, não faria sentido entrar como associação numa outra.

Mas o «top» que está para vir, por outro lado, também é do seu interesse, como forma complementar de expor os seus catálogos. Assim, a AFP liberta as suas associadas para individualmente participarem na constituição da dita tabela. Não é menos evidente que, por uma questão de estratégia, ninguém vai querer ficar de fora. Contudo, ainda nenhuma das divisões locais de multinacionais que lançam música portuguesa assinou o protocolo de adesão ao programa da RTP, e toda a gente está à espera do projecto que vai sair dos estúdios Valentim de Carvalho.


Luís Maio / Público, 15/02/1994

A verdade é que, para mal dos nossos pecados, o top de música portuguesa reunindo todas as editoras em 1994 foi liderado pela Discossete, nomeadamente com Quim Barreiros, e pela Movieplay com Dulce Pontes e Frei Hermano da Câmara.


Luís Maio, 17/02/1995

Sinopse do programa:

É o único programa da televisão portuguesa que dá atenção exclusiva à música de produção nacional. Já desde há quatro anos e todas as semanas.

"Made in Portugal" dedica toda a sua atenção à música portuguesa sem olhar a nomes ou géneros musicais. É que, aqui, quem manda são os espectadores, e a música de "Made in Portugal" é escolhida segundo uma lista de preferências por eles votada pelo telefone.

Todos os domingos, ao princípio da tarde, teremos a oportunidade de rever os rostos mais consagrados da música portuguesa, ao mesmo tempo que vamos conhecendo os novos valores que vão aparecendo na nossa cena musical.

Produção Valentim de Carvalho; Apresentação: Carlos Ribeiro

Fonte:  RTP


Comentários:

Pergunta: Em que é que um programa como o "Made in Portugal" e o Carlos Ribeiro contribuiram para a tua carreira?

João Pedro Pais: Temos de lá ir, é um programa com que eu não me identifico mas, infelizmente, para se vender discos em Portugal tem de se ir a programas, ter de se ir a espectáculos, porque Portugal não é um mercado de música, o disco mais vendido até hoje só vendeu 300 mil unidades e somos 10 milhões.


Chat com João Pedro País no portal Sapo

No programa "Made In Portugal" acabaram por ser divulgados nomes como Dulce Pontes (a Movieplay nunca fez parte da AFP), Quim Barreiros na fase Discossete ou Ágata, Fernando Correia Marques ou Tony Carreira da editora Espacial que nessa altura não pertencia à AFP, bem como artistas de outras editoras mais pequenas. O programa acabaria por terminar alguns anos depois. Acabou por coincidir com a fase em que a música popular teve mais impacto.

Vendas de discos 1990

Discos Mais Vendidos em 1990

1 - But Seriously - Phil Collins
2 - Mingos & Os Samurais - Rui Veloso
3 - Mosaique - Gipsy Kings
4 - Existir - Madredeus
5 - I'm Breathless - Madonna
6 - Pump Up The Jam - Technotronic
7 - The Very Best Of - Cat Stevens
8 - Amazónia - Roberto Carlos
9 - In Concert - José Carreras, Plácido Domingo e Luciano Pavarotti
10 - The Wall Live In Berlin - Roger Waters

Fonte: AFP

Álbuns em destaque:

Superdisco 89 - Vários (Superdisco/Edisom) (1#1)
But Seriously - Phil Collins (14#1)
A Mais Bonita - Onda Choc - #2
Genius 89 - Vários - #3
Hit Parade - Vários (1#1)
Rara e Inédita - Amália Rodrigues - #2
Road To Hell - Chris Rea - #3
Só Nós Três - Paulo de Carvalho / Carlos Mendes / Fernando Tordo - #3
Amazónia - Roberto Carlos (1#1)
Colour - Christians - #3
Tudo Por Amor - Simone - #3
Fafá  - Fafa de Belém - #3
I Do Not Want - Sinead O'Connor - #3
Legend Of The Eagles - Eagles (1#1)
Pump Up The Jam - Technotronic (1#1)
Mosaique - Gipsy Kings (2#1)
Changes Bowie - David Bowie - #3
Gritos Mudos - Xutos & Pontapés - #5
The Very Best of - Cat Stevens (5#1)
Cantando pela Praia - Onda Choc - #2
Existir - Madredeus (3#1)
I'm Breathless - Madonna (1#1)
Mingos & Os Samurais - Rui Veloso (15#1)
Listen Without Prejudice - George Michael - #3
In Vivo - GNR - #3
In Concert - José Carreras, Plácido Domingo e Luciano Pavarotti - #2
The Wall Live In Berlin - Roger Waters - #2
Serious Hits - Phil Collins - #2
The Very Best of - Elton John (1#1)
The Classic Experience - Vários (EMI) - #3
Lambada - Kaoma (9#1)
Trovante / António Pinto Basto / Ministars / Carlos Guilherme
+

Assim, dentro dos galardões de platina (prémio máximo por vendas de quarenta mil exemplares) atribuídos pela AFP no ano passado, mais de metade eram títulos nacionais, com especial destaque para o pai da MMP, Rui Veloso, e o seu duplo "Mingos e os Samurais", que bateu todos os recordes com um simples, dois triplos, e dois quádruplos de platina.

Outro aspecto digno de nota na evolução do nosso mercado é a forte propensão para os portugueses comprarem preferencialmente música portuguesa, facto que se espelha na forte representação de autores nacionais entre os galardoados com distinções em prata, ouro e platina no ano passado. (...) dos dezoito discos de platina atribuídos em 1990 só oito eram títulos estrangeiros, assinados por apenas cinco formações estrangeiras (Phil Collins arrecadou dois simples e um duplo platina).

Há, contudo, colecções de êxitos e discos ao vivo no nível mais alto da platina, caso da maior parte dos títulos, dos GNR a Madonna, de Elton John a Phil Collins. As únicas excepções são os Enigma e o seu "MXMXC A.D" e "Mingos & Os Samurais" de Rui Veloso, que chegou à sétima platina.

A lista de galardoados com álbuns de platina (...) incluía [também] os Trovante, António Pinto Basto, Onda Choc, Ministars, Carlos Guilherme, Rui Veloso e o "Só Nós Três", e poucos estrangeiros.

Público

--Singles em destaque:

The Best - Tina Turner - #2
Fata Morgana - Amazónia Band - #2
Swing The Mood - Jive Bunny - #2
Right Here Right Waiting - Richard Marx - #3
Another Day In Paradise - Phil Collins (2#1)
Pump Up The Jam - Technotronic + Felly (14#1)
Runaway - Del Shannon - #3
Volare - Gipsy Kings - #2
Get Up - Technotronic - #3
I Can See Clearly Now (Remix) - Johnny Nash - #2
Pirilampo Mágico 1990 - Vários (1#1)
Baby Can I Hold You - Tracy Chapman (2#1)
Nothing Compares 2 U - Sinead O'Connor (2#1)
Um Amor Em Cada Porto - Marco Paulo - #3
Não Há Estrelas No Céu - Rui Veloso - O (16#1)
Vogue - Madonna - #2
Insieme 92 - Toto Cutugno - PR - #2
Praying For The Time - George Michael - #2
What's A Woman - Vaya Con Dios - #3
+Ai, Ai, Meu Amor - Marco Paulo - O/P
Sacrifice - Elton John
+

Ainda em 1990, houve cinco 45 rotações de prata, três de ouro e quatro de platina. Em 1990, [Marco Paulo foi o grande vencedor em singles com] "Um amor em cada porto" foi prata e ouro; "Ai, ai, meu amor" chegou a ouro e platina; "Joana" [editado em 1988] foi três vezes platina. Ao lado dele, em platina, só a "Lambada", dos Kaoma [de 1989]; em ouro "Não há estrelas no céu", de Rui Veloso; em prata "Pump Up The Jam", dos Technotronic, e "Insieme", de Toto Cutugno.

Os outros dois singles mais vendidos foram "Nothing Compares 2 U", por Sinead O'Connor, escrito há anos por Prince, e "Sacrifice", por Elton John, mais um produto da sua infindável colaboração com Bernie Taupin.

Público

AUMENTO DE 40%

Os ingleses queixam-se de falta de novos artistas de sucesso, os franceses lamentam a concorrência entre as grandes cadeias de retalhistas, os espanhóis estão preocupados por a extinção do vinil não ser acompanhada por suficiente crescimento do CD. Em contrapartida, os empresários portugueses estão satisfeitos, uma vez que o nosso mercado, de 1989 para 1990, registou um aumento de facturação na ordem dos quarenta por cento (de 3.768.112 para 5.275.202 contos), segundo a contabilidade da Associação Fonográfica Portuguesa (AFP), que integra a maioria -- mas não todas -- as empresas do sector.

Público, 1991

A indústria fonográfica facturou mais quarenta por cento em 1990, que no ano precedente, um benefício que se deve e reverteu sobretudo a favor dos artistas portugueses. A associação do sector está contente com a sua contabilidade, mas quer nova legislação que corresponda aos objectivos do mercado europeu.

A referida explosão meteórica do CD fez-se em geral noutros mercados de par com uma proporcional descida do vinil, que actualmente já não é fabricado de forma maciça e tende para a completa extinção. Em contrapartida, em Portugal esse eclipse não tem sido tão rápido e, se há uma descida acentuada na facturação de singles (menos quarenta e cinco por cento de 89 para 90), já no capítulo dos LPs ela não é significativa (menos de três por cento). Ou seja, se nos mais importantes mercados, o vinil já desapareceu, e a corrida aos discos compactos caminha para o fim, entre nós não apenas o CD está em pleno crescimento, como ainda o LP está longe de desaparecer.

Público, 1991

CASSETES

A obrigatoriedade de um selo de autenticação também nas audiocassettes só começou a vigorar no ano passado, calculando-se que até então, de um mercado de 7 milhões de fonogramas, apenas 2 milhões se encontrassem em situação legal.

No ano passado a Guarda Fiscal destruiu cassetes ilegais no valor de 350 mil contos, o que segundo a corporação deverá corresponder a cerca de 10 por cento do total de fonogramas e vídeogramas colocados no mercado pirata.

É fácil de compreender porque é que não têm sido objecto de perseguição legal: tais fonogramas anunciam o melhor de Turner ou dos Boys, mas não declaram de facto que são eles os intérpretes dos temas e, por outro lado, referem correctamente os nomes dos compositores, de modo que é de supor que lhes pagam os devidos direitos de autor.

O facto de a performance comercial da cassete áudio, ao contrário de todos os formatos do disco em vinil, não ter sido afectada pelo boom do disco compacto é uma das conclusões mais significativas que se tiram (...).

Público, 1991

As companhias aderentes à AFP, tirando a Polygram e sobretudo a BMG, baixaram em 1990 a sua quota relativa no mercado da música portuguesa. O que, à primeira vista, levaria a concluir que se tratou de um ano medíocre, se não desastroso, para essas empresas fonográficas. Só que, segundo os seus dirigentes, as quotas de mercado não são um indicador decisivo, ou pelo menos há outros factores com que se deve contar para efeitos de balanço. Assim, de onde seriam de esperar confissões de desalento e queixumes variados, acabamos por ouvir saldos relativamente positivos ou mesmo optimistas. (Público)

sábado, 8 de maio de 2010

Vendas de discos 1995

Iran Costa
Discos mais vendidos - 1995

1 - 1492 The Conquest of Paradise - Vangelis
2 - Laura Pausini - Laura Pausini
3 - Álbum Dance - Iran Costa
4 - No Need To Argue - Cranberries
5 - Nº1 - Vários
6 - Made In Heaven - Queen
7 - These Days - Bon Jovi
8 - D'Eux - Celine Dion
9 - Pulse - Pink Floyd
10 - The Colour Of My Love - Celine Dion

Fonte: AFP

O «Album Dance», onde se encontra o célebre «O bicho», popularizado durante este Verão pelo brasileiro Iran Costa, foi o disco mais bem sucedido do ano, com vendas superiores a mais de 200 mil cópias (galardão de quintupla platina).

Desde 1976, ano em que foi formada a Associação Fonográfica Portuguesa, que controla as vendas da indústria discográfica, este número corresponde ao fonograma mais vendido no nosso país. «Album Dance» pulveriza assim os recordes registados anteriormente, batendo as 140 mil unidades de «Mingos e os Samurais», de Rui Veloso, e as 120 mil de «Viagens», de Pedro Abrunhosa e «Waking Up The Neighbours», de Bryan Adams.
O segundo álbum mais vendido em Portugal este ano foi «Laura», de Laura Pausini, que alcançou a marca das 120 mil cópias vendidas, e logo a seguir, isto é com mais de 80 mil cópias, vieram «Pimba, Pimba» de Emanuel, «Made In Heaven», dos Queen, e a colectânea «Número 1».

Público, 27/12/1995

Álbum Dance - Iran Costa [200] * Laura Pausini - Laura Pausini [120] * Nº1 - Vários [80] * Made In Heaven - Queen [80] * Pimba, Pimba - Emanuel [80]

A atribuição de galardões não é igual à venda de discos mas há diferenças muito significativas em relação aos nomes constantes da lista dos discos mais vendidos. Está é liderada por Vangelis e Iran Costa apenas aparece em terceiro!

Álbuns em destaque ao longo do ano:

Nº1 - Vários (BMG) (1#1)
Top Star 94/95 - Vários (Vidisco) - #2
Unplugged In New York - Nirvana (1#1)
Laura Pausini - Laura Pausini (7#1)
No Need To Argue - Cranberries - #2
All You Need Is Love - Vários (Columbia) - #2
Electricidade - Vários (Vidisco) - #2
Greatest Hits - Bruce Springsteen (1#1)
Ainda - Madredeus (4#1)
Rave Party Vol. 1 - Vários (Vidisco) - #2
1492 The Conquest of Paradise - Vangelis (6#1)
95 Grammy Nominees - Vários (Columbia) - #3
Adagio Karajan - Karajan - #2
The Colour Of My Love - Celine Dion - #2
Dance Mania 95 - Vários (2#1)
Mad Mix - Vários (BMG) - #2
Pulse - Pink Floyd (3#1)
These Days - Bon Jovi (3#1)
HIStory, Past, Present And Future Book I - Michael Jackson - #2
O Melhor de ... (Estranha Forma de Vida) - Amália Rodrigues - #3
Nº1 - Vários (Sony) (4#1)
Dance Power 95 - Vários - #2
Portugal Radical - Vários (EMI) - #4
Álbum Dance - Iran Costa (8#1)
Tuesday Night Music Club - Sheryl Crow - #2
16 Top World Charts - Vários (Vidisco) - #2
Maxipower 2  - Vários (Polystar) - #3
Ballbreaker - AC/DC - #2/
Daydream - Mariah Carey (2#1)
Greatest Hits 1985 1995 - Michael Bolton - #2/
Life - Simply Red (1#1)
Don't Bore Us Get To The Chorus - Roxette (2#1)
D'Eux - Celine Dion - #2/
Made In Heaven - Queen (7#1)
Voices - Vangelis - #3/
Love Songs - Elton John - #2/
Angelis - Elbosco - #2/
Pimba Pimba - Emanuel
Nº1 - Vários (EMI)
+
+

Singles:

F - Pedro Abrunhosa & Bandemónio [40.000 / Ouro e platina]

4.567.490.28600 é, precisamente, o total da facturação apresentado pelas companhias fonográficas reunidas na Associação Fonográfica Portuguesa, para o primeiro semestre de 1995. Em termos de suportes regista-se o crescimento do disco compacto (CD), corrente ao longo desta década, mas agora com tendência a abrandar: foram mais 7,5 por cento que em igual período do ano transacto.

Estimulante é a subida, a primeira em muitos anos, do formato single, que cresceu qualquer coisa como 61.50 por cento. A explicação não é transcendente: esta contabilidade é feita já contando com o CD single e não apenas com o 45 rotações em vinil, o que significa que tardiamente, mas apesar de tudo com alguma firmeza, o mercado português está a aderir à substituição de um formato pelo outro.

A cassete continua a cair, ainda que menos que o LP, mas há outras contas, aparentemente esquisitas: os «laser-discs» descem mais de 800 por cento enquanto os vídeos musicais, isto é, em fita VHS, crescem mais de 70 por cento. É a tendência inversa da verificada em anos precedentes entre nós e não tem nada a ver com o que se passa lá fora. Mas poderá ter uma explicação simples: a Direcção Geral de Espectáculos «inventou» um selo para os discos «laser», alegando a defesa contra uma pirataria que nunca existiu, e isso matou esta fatia de mercado, levando a uma regressão até às VHS que propendiam a ser substituídas por aqueles.

A EMI-Valentim de Carvalho, que agora é propriedade exclusiva daquela multinacional, mantém a lideranda do mercado nacional por companhias no segundo trimestre de 1995. Tem 20,21 por cento da facturação total e no segmento mais restrito da música portuguesa ascende a 35,71 por cento. A sua mais directa concorrente no internacional é agora a Polygram, com 17,85 por cento e no nacional a Vidisco que tem 19.78 por cento.

Luis Maio / Público, 28/07/1995 [Single regressa em «compacto»]

]

Vendas Discos 2019

DISCOS EM DESTAQUE ATÉ À SEMANA 40/2019 AS CANÇÕES DAS NOSSAS VIDAS - ACÚSTICO - 30 ANOS - TONY CARREIRA - 1#1  [3 EM 2018] DO AVESSO ...

Mais Vendidos