VENDAS DE DISCOS EM PORTUGAL: GALARDÕES, DISCOS MAIS VENDIDOS, ETC...



sexta-feira, 15 de abril de 2011

Amália Rodrigues


foto: Jorge Jacinto / TV Guia (1985)

O álbum "O Melhor de Amália" agarrou-se como uma lapa ao nº 1 do top e para o natal desse ano ainda fizemos um segundo duplo, "Volume II", e voltámos a fazer anúncios na TV. Em menos de dois anos, o primeiro "O Melhor de Amália" ganhou 6 discos de platina, o "Volume II" outros 3, e mais tarde as reedições em CD trouxeram mais uma remessa de Platinas. Acho que nenhuma outra edição terá facturado tanto em Portugal.

David Ferreira, Setembro de 2009

Sempre acreditámos que o grande público podia gostar de Fado e transformar grandes discos em grandes sucessos comerciais.

Em 1985, editámos “O Melhor de Amália” que viria a ser o maior sucesso da edição discográfica nacional, excedendo hoje as 600.000 unidades vendidas.

Em 1994, sob uma encomenda da organização da “Lisboa, Capital Europeia da Cultura” reunimos os fadistas mais diversos em “Biografia do Fado”, que vendeu até hoje mais de 120.000 álbuns duplos e se constitui como a compilação de Fado mais vendida em Portugal.

Press-release caixa Biografias do Fado, 2010

Publicados com seis meses de intervalo em 1985, os LPs originais foram as primeiras grandes recolhas abrangentes dos êxitos que Amália fez seus durante a sua longa carreira. O volume 1 atingiu o 1º lugar do top e vendeu para cima de 100 mil exemplares; o volume 2 chegou a nº 2 e ultrapassou as 50 mil cópias. E o sucesso foi repetido quando as duas colecções de sucessos viram reedição em CD, em alinhamentos redesenhados para levar em conta o novo modo de ouvir discos que o CD trouxe. 


Press-release reedição o Melhor de Amália, 2007

Termina amanhã, em Cannes, o IV MIDEM, Mercado Internacional do Disco e Edições Musicais, muito justamente considerado o mais importante meeting de industriais e comerciantes da musica gravada. Uma espécie de Convenção de Ofir mas em grande, em estrangeiro.

A atribuição dos troféus MIDEM baseia-se, não na qualidade, mas nos números de vendas, controlados em cada país participante por organismos como a nossa Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses. O artista que em cada país mais discos vendeu durante o ano recebe o troféu referente a esse país.

Recorde-se que, por exemplo, em 1968 (MIDEM 2) foram distinguidos, para além dos prémios especiais atribuidos aos Beatles e a Petula Clarck, os Rolling Stones (Inglaterra), Roberto Carlos (Brasil), Karel Gott (Checoslováquia), Udo Jurgens (Áustria), Salvatore Adamo (França e Bélgica), Amália Rodrigues (Portugal), etc.

No ano seguinte (1969), III MIDEM e troféus para Patty Pravo (Itália), Mireille Mathieu (França), Mouslin Magomayev (U.R.S.S.), etc., e Amália Rodrigues (Portugal), que aliás já recebera o troféu correspondente ao MIDEM I (1967).

Como Amália Rodrigues, que nos representou nas edições anteriores, está a filmar em Itália, este ano abstivemo-nos de participar. Amália é ainda o unico produto nacional julgado com qualidade para cantar lá fora e considerado conveniente para falar lá fora. Sim porque há que ter em conta o que se diz, com musica ou sem ela.

Diário de Lisboa, 24/01/1970

Os discos de ouro e platina conquistados por Amália Rodrigues são mostrados ao público, pela primeira vez, na Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), em Lisboa. Inaugurada ontem, a exposição Amália Sempre, inserida nas comemorações do 80.º aniversário da SPA, "procura mostrar uma das facetas menos conhecidas da fadista, a de poetisa", disse à agência Lusa José Jorge Letria, da SPA.

Diário de Notícias, 09/08/2005

Dados cronológicos

1967 - Amália recebe o Prémio MIDEM [vendas entre Junho de 1965 e Junho de 1966], em Cannes, das mãos de Anthony Quinn, para o artista português com mais discos vendidos. Receberá de novo o prémio em 1968 e 1969.

1968 - É lançado o single "Vou Dar de Beber à Dor". O fado que muitos conhecem como "A Casa da Mariquinhas" foi um dos maiores êxitos de Amália vendendo para cima de 100 mil exemplares. Em 1973 recebeu o Disco de Ouro:

http://www.rtp.pt/wportal/sites/tv/amalia_coracaoindependente/autor5_18.php

«DISCO DE OURO» PARA AMÁLIA RODRIGUES

Foi distinguida pelo Grémio Literário devido à venda de 250 000 exemplares do seu disco «Vou dar de beber à dor» a artista Amália Rodrigues. Ao acto da entrega do prémio assistiram muitas figuras ligadas aos meios artísticos nacionais.


(Noticias de Portugal - Edições 1351-1408 - 1973 - Página 47)

1982 - Edita o álbum "Fado" que atinge o 5º lugar do top de vendas de álbuns compilado pela revista "Música & Som".

1984 (Dezembro) - É editado "Amália na Broadway". O álbum atinge o 17º lugar do top oficial de vendas de álbuns compilado pelo GPPFV.

1985 (Julho) - "O Melhor de Amália - Estranha Forma de Vida" é uma compilação de 24 fados gravados por Amália Rodrigues. O disco esteve oito meses nos tops e vendeu mais de 100 mil exemplares tendo sido galardoado com o disco duplo de platina. Foi reeditado em CD dez anos depois.

1985 (Dezembro) - Na sequência do êxito de "O Melhor de Amália", é editado "O Melhor de Amália volume II - Tudo Isto é Fado", que ultrapassa as 50 mil cópias vendidas e atinge o 2º lugar do top oficial de vendas.

1988 - É editado o triplo-álbum "Coliseu 3 de Abril de 1987". Obtém o Disco de Ouro por vendas superiores a 20 mil cópias e atinge o 13º lugar dos tops.

1990 - "Rara e Inédita" atinge o 2º lugar.

1995 - É editada em CD a compilação "O Melhor de Amália - Estranha Forma de Vida". O disco atinge o 3º lugar e vende cerca de 25 mil exemplares.

1997 - O álbum "Segredo", com um conjunto de gravações inéditas realizadas entre 1965 e 1975, atinge o 3º lugar do top nacional de vendas e o galardão de disco de platina (40 mil cópias).

2009 - A compilação "Coração independente" entra para o Top.

Sem comentários: