VENDAS DE DISCOS EM PORTUGAL: GALARDÕES, DISCOS MAIS VENDIDOS, ETC...



domingo, 28 de março de 2010

Vendas de discos 2007

José Afonso
Discos mais vendidos - 2007

1 - A Vida Que Eu Escolhi - Tony Carreira
2 - José Afonso - José Afonso
3 - Lado A Lado - Mafalda Veiga/Joao Pedro Pais
4 - Acústico - André Sardet
5 - Páginas da Vida - Banda Sonora
6 - Voo Nocturno - Jorge Palma
7 - Fantasminha Brincalhão - Avô Cantigas
8 - Concerto Em Lisboa - Mariza
9 - 4 Taste - 4 Taste
10 - Chiquititas - Chiquititas
11 - Loose - Nelly Furtado
12 - Siempre - Il Divo
13 - Amor, Escarnio E Maldizer - Da Weasel
14 - Now 16 - Vários
15 - Doce Fugitiva - Banda Sonora
16 - Verdades 10 Anos - Irmãos Verdades
17 - Floribella 2 - Flor (Luciana Abreu) / Banda Sonora
18 - Sim - Vanessa da Mata
19 - Orbital Mix 4 - Vários (Vidisco)
20 - Life In Cartoon Motion - Mika
21 - Now 17 - Vários
22 - High School Musical 2 - Banda Sonora
23 - O Melhor Natal - Floribella
24 - Call Me Irresponsible - Michael Buble
25 - Vingança - Anjos
26 - Summer Jam 2007 - Vários
27 - Vozes Mágicas - Vários
28 - Just Girls - Just Girls
29 - Nº1 - Vários (Farol)
30 - A Festa Dos Golfinhos - Viky

Fonte: AFP

O disco que esteve mais semanas em nº1 foi a colectânea de José Afonso lançada pela Farol. Foi o 2º disco mais vendido do ano. A Farol tem a possibilidade de fazer campanhas na TVI (pertencem ao mesmo grupo empresarial) o que ajuda na promoção dos discos. Quanto a Tony Carreira: a sua editora (a Espacial) associa-se à Som Livre para o lançamento de alguns discos o que permite promoção especial na SIC.

O disco de José Afonso corresponde a uma reedição de uma colectânea lançada originalmente pela Orfeu/Movieplay em formato de duplo-LP. A música de José Afonso teve assim a possibilidade de ser dada a conhecer a mais pessoas.

Álbuns em destaque ao longo do ano:

1-4 Taste - 4 Taste - 1 #1 (ver também 2006)
4-A Vida Que Escolhi - Tony Carreira - 4 #1
1-Acústico - André Sardet - 1 #1 (ver também 2006)
Os Pintainhos - Os Pintainhos [#3]
3-The Confessions Tour - Madonna - 3#1
12-José Afonso - José Afonso - 12#1
Neon Bible - Arcade Fire [#2]
Loose - Nelly Furtado [#3]
Sound In Light - Blasted Mechanism [#2]
2-Amor, Escárnio e Maldizer - Da Weasel - 2 #1
Vingança - Anjos [#3]
Verdades 10 Anos - Irmãos Verdades [#3]
1-Lado a lado - Mafalda Veiga/João Pedro Pais - 1 #1
5-Floribella 2 - Flor / Banda Sonora - 5 #1
1-Luz - Pedro Abrunhosa - 1 #1
5-Fantasminha Brincalhão - Avô Cantigas - 5 #1
A Festa dos Golfinhos - Viky [#3]
7-Chiquitas - Banda Sonora - 7 #1
Pavarotti Forever - Pavarotti [#2]
The Very Best Of - Diana Krall [#3]
1-Dreams In Colour - David Fonseca - 1 #1
Pedro Khima - Pedro Khima [#2]
1-Concerto em Lisboa - Mariza - 1 #1
4-Voo Nocturno - Jorge Palma - 4 #1
La Serena - Teresa Salgueiro / Lusitania Ensemble [#2]
Vivere Greatest Hits - Andrea Bocelli [#3]
4-Just Girls - Just Girls - 4 #1 (ver também 2008)
Xmas Collection - Il Divo [#2]

Discos que ocuparam as primeiras posições entre Janeiro e Dezembro de 2007.

http://de.wikipedia.org/wiki/Liste_der_Nummer-eins-Hits_in_Portugal_%282007%29

Atribuição de galardões

A lista divulgada com a atribuição de galardões em 2007 não corresponde na totalidade aos nomes que ocuparam mais tempo o 1º lugar durante esse ano. Há nomes cujas vendas são de 2006 logo não merecem o destaque referente à análise deste ano em concreto.

O disco "Floribella" foi um dos campeões de vendas de 2006 mantendo-se vários meses em 1º lugar. No decurso de 2007 as vendas não foram significativas não se justificando o destaque que foi dado aquando da análise de vendas de 2007.

O grande sucesso de "Acústico" de André Sardet reflectiu-se nas 11 semanas em 1º lugar durante o ano de 2006. Em 2007 esteve apenas 1 semana em 1º lugar e manteve-se a bom nível durante as primeiras semanas do ano.

O que ficarmos a perceber é que a atribuição de galardões é cumulativa e tem em conta as vendas anteriores. No entanto não podem servir para analisar as vendas de um ano em concreto quando existam vendas significativas noutros anos.

Alguns dos nomes que chegaram a 1º lugar foram a compilação de "José Afonso" (12 semanas em 1º), as bandas sonoras de "Chiquititas" (7 semanas) e "Floribella 2" (6 semanas), "Fantasminha Brincalhão" do Avô Cantigas (5 semanas), "Lado a Lado" da dupla Mafalda Veiga/João Pedro Pais (1 semana) e "Vôo Nocturno de" Jorge Palma (4 semanas). Qualquer um destes discos obteve 2 discos de platina e 1 de ouro.

"A Vida Que Eu Escolhi" de Tony Carreira (7 discos de platina) esteve apenas 4 semanas em 1º lugar mas manteve-se durante 5 meses nos lugares cimeiros. [percurso no top]

O disco homónimo das Just Girls esteve em 1º nas últimas 4 semanas do ano e obteve 3 platinas e 1 ouro.

A carreira do disco de estreia dos 4 Taste (4 platinas) começa em finais de 2006 e ainda se mantêm em 2007 mas apenas uma semana em 1º lugar. No ano anterior já tinha 3 platinas.

Verifica-se que a maior parte dos discos que atingiu o 1º lugar são de produção nacional. Além dos discos já mencionados também atingiram o 1º lugar, durante 1 semana, os discos "Luz" de Pedro Abrunhosa e "Dreams In Colour" de David Fonseca e ainda "Amor, Escárnio e Maldizer" dos Da Weasel durante duas semanas.

Noticia divulgada em Janeiro de 2008:

Flor, André Sardet e Tony Carreira foram os artistas que mais discos de platina receberam no ano passado [2007], tendo vendido no seu conjunto cerca de meio milhão de unidades, segundo dados divulgados pela Associação Fonográfica Portuguesa (AFP).

A AFP divulgou a lista dos 104 álbuns editados no ano passado [2007] cujas vendas ultrapassaram as 10 mil unidades (disco de ouro) ou 20 mil (disco de platina).

O álbum "Floribella", de Flor, foi o mais vendido dos editados em 2007, tendo recebido 10 platinas. Flor junta ainda duas platinas e um disco de ouro pelo seu segundo álbum, "Floribella 2", ambos editados pela Som Livre.

À personagem encarnada pela actriz e cantora Luciana Abreu seguem-se Tony Carreira, que este ano celebra 20 anos de vida artística, e André Sardet.

Os álbuns "A Vida Que Escolhi", de Carreira, editado pela Espacial, e "Acústico", de Sardet (Farol), que completou em 2007 dez anos de carreira, receberam cada um sete platinas.

No quinto posto, com quatro platinas, está o álbum de estreia da banda 4Taste, editado pela Farol, em sexto surge outro álbum de estreia, o das portuguesas Just Girls, com um disco de ouro e três de platina, e em sétimo lugar está o álbum de estreia de Mickael Carreira, com três platinas. O filho de Tony Carreira acumula ainda um disco de platina e outro de ouro pelo seu segundo álbum, "Entre nós", também editado pela Vidisco.

Dos 104 álbuns galardoados, 41 são de produção nacional e 28 são colectâneas de vários artistas, sendo quatro de bandas sonoras de telenovelas da TVI.

Além de Mickael Carreira, bisam a presença na lista dos discos mais vendidos editados o ano passado Nelly Furtado, Paulo Gonzo, José Malhoa, Rodrigo Leão, Flor e os Il Divo.

O canadiano Michael Bublé é o único com três presenças na tabela acumulando dois discos de ouro e dois de platina. O cantor recebeu um disco de ouro pelo álbum "It's Time", um de ouro e um de platina por "Call Me Irresponsible" e um de platina por "Caught In The Act", todos editados pela Warner.

A Farol foi a editora que arrecadou maior número de galardões, num total de 45, vinte discos de ouro e 25 de platina.

Seguem-se a Som Livre com 34 galardões (12 de ouro e 22 de platina) e em terceiro a SonyBMG com 25 (15 de ouro e 10 de platina.

IOL/LUSA, 14/01/2008

Portugueses são os que vendem mais em 2007

No ano que agora termina, os músicos portugueses voltam a estar entre os maiores fenómeno de vendas nos tops nacionais de CD e DVD.

Se tomarmos apenas em conta as edições de 2007, as Just Girls tomam a liderança do pelotão com o disco homónimo, editado há cerca de um mês e meio. Durante este período, a girl band que agora faz parte da novela adolescente Morangos com Açúcar vendeu mais de 60 mil exemplares do álbum, o que lhes garantiu três platinas. De resto, este foi o único CD, com o selo do ano que agora termina, a conseguir por três vezes o galardão respeitante a 20 mil exemplares comercializados.

"Voo Nocturno", de Jorge Palma, "Lado a Lado", de Mafalda Veiga e João Pedro Pais, e a antologia "José Afonso" que assinalou os 20 anos da morte do cantautor, ficaram-se pelas duas platinas mas assinalaram uma procura do público pela música cantada em português.

João Pedro Pais manifestou ao DN o seu regozijo pelos resultados obtidos e reiterou o gosto das pessoas "pela música portuguesa". Para Eduardo Simões, director-geral da Associação Fonográfica Portuguesa (AFP), o fenómeno "é natural e repete-se em relação aos últimos anos". As razões prendem-se com a "quantidade de produção, os veículos de promoção e a popularidade de alguns artistas". O responsável da indústria assinala também "a diversidade de géneros presentes entre os grandes fenómenos da música portuguesa".

"Fantasminha Brincalhão", de Avô Cantigas, Chiquititas, "Floribella 2", "Karaoke Morangos 2", "Páginas da Vida" e "Acústico" de André Sardet foram outros títulos que conseguiram duas platinas.

Todavia, acabou por ser um disco de 2006 o mais vendido... em 2007. "A Vida Que Eu Escolhi", de Tony Carreira, tem pouco mais de um ano e teve como principal alvo o Natal de 2006. Todavia, os seus resultados prolongaram-se por este ano. O disco entrou em 2007 apenas com duas platinas. As restantes cinco foram conseguidas nos onze meses seguintes. A última foi entregue em Novembro.

É precisamente na quadra natalícia que o mercado regista maior agitação. As editoras concentram grande parte das apostas para a época que acabou de terminar, especialmente ao nível das antologias e colectâneas, e os efeitos são imediatos. Olhando para os números, é possível constatar que foram atribuídos 21 galardões de platina e 35 de prata (este respeitante a 10 mil exemplares vendidos) no período compreendido entre 31 de Outubro e 20 de Dezembro. Números que não têm par durante o resto do ano. Eduardo Simões defende que "o que é preocupante não é o peso do Natal mas sim as vendas baixas durante o resto do ano". Luís Costa, responsável pelo catálogo da Sony, assume que o CD está a "cair em desuso".

O responsável pela AFP expressou também a sua preocupação pelo "decréscimo de investimento que a crise gera". João Pedro Pais subcreve esta opinião e defende que "nada se faz sem dinheiro e promoção e as editoras querem tudo feito". O músico é, no entanto, da opinião que "vale a pena investir na música portuguesa e os resultados estão à vista".

DAVIDE PINHEIRO, DN, 28 Dezembro 2007





Imagem: tabela publicada na revista Billboard de 16/06/2007 referente às vendas de 5 de Junho.

Venda de música continua em queda

A venda de música no mercado português em formato áudio e digital sofreu uma quebra de 6,1 milhões de euros em 2007, com as editoras a facturarem um total de 44,5 milhões de euros, revelou a Associação Fonográfica Portuguesa (AFP).

No ano passado, as editoras discográficas facturaram cerca de 44,5 milhões de euros com venda de música, sobretudo em CD e em digital, menos 12% do que em 2006, ano em que a facturação ultrapassou os 50,6 milhões de euros.

"Estamos perante um quadro de evolução complicado, depressivo. Vamos acumulando perdas ano após ano sem haver um correspondente aumento do mercado digital que alivie perspectivas para o futuro", afirmou, à Lusa, o presidente da AFP, Eduardo Simões.

De acordo com o relatório da AFP sobre o mercado discográfico, em 2007, venderam-se 7,9 milhões de unidades de álbuns discográficos, com o suporte CD ainda a dominar as vendas (6,7 milhões).

No que se relaciona a lançamentos discográficos, na edição de música portuguesa, predominam os álbuns de pop/rock, que renderam 4,2 milhões de euros de facturação para as editoras, seguindo-se a música ligeira (1,8 milhões de euros) e o fado (1,3 milhões de euros).

O mesmo acontece quando se fala na edição discográfica de grupos e artistas estrangeiros em Portugal, com o pop/rock a ser o mais lucrativo, com 14,5 milhões de euros, muito à frente dos 1,1 milhões de euros de facturação com a música clássica.

Apesar da quebra que a indústria discográfica sofreu em 2007, a venda de música exclusivamente em formato digital registou um aumento de 2,1 milhões de euros para 2,6 milhões de euros, com 225.433 descarregamentos (downloads) legais.

A maior fatia nesta área foi para os conteúdos de música para telemóveis - 1,9 milhões de unidades -, a maioria toques telefónicos pagos (1,2 milhões de unidades), que renderam 1,6 milhões de euros.

JN 04/04/2008

Mercado discográfico caiu 13,6% em 2007

O mercado português da música gravada facturou no ano passado 50 645 892 euros. Menos 13,6 por cento que em 2006.

O mercado português da música gravada facturou no ano passado 50 645 892 euros. Menos 13,6 por cento que em 2006, em números que somam as vendas de discos (incluindo cassetes), DVD musical e mercado digital. Esta última parcela é a única que respira saúde, evitando uma queda que poderia ter atingido, sem a sua presença, um valor de 14,92%.

O cenário não é novo. Em apenas oito anos desapareceu metade do mercado discográfico português. Com facturação na ordem dos cem milhões de euros em anos como 2000 ou 2002, os números atingiram os valores mais baixos desde a "alta" dos anos 90 em 2007. Várias causas são apontadas para justificar a quebra, entre as quais os valores elevados da pirataria (física e digital). Há, contudo, que ter ainda em conta um vasto leque de oferta concorrente à música gravada (dos concertos a outros produtos de lazer).

Um olhar pelo levantamento de mercado em 2007 revelado pela Associação Fonográfica Portuguesa mostra valores em crescimento nas vendas de música portuguesa, que este ano atingem 32 por cento da facturação total. Este "bolo" é dominado pelo repertório internacional (42,4 %), representando a música portuguesa, hoje, a segunda maior força de vendas no mercado nacional, acima das compilações (21,6 %), repertório regional (7,18 %) e música clássica (3,57 %). Nas vendas de música portuguesa em full price (ou seja, os novos lançamentos), que somam em conjunto 1 127 622 unidades, 53% das vendas correspondem a discos de pop/rock. Seguem-se as vendas de música ligeira (20%), fado (9%), música infantil (5,9&), hip hop (5,7%) e jazz e blues (1,72%).

Por formatos, o mercado é dominado pelo CD, que representa 85,3% do total de 7 904 025 unidades vendidas (áudio e audiovisual). Face a 2006 o CD cai 8%. Maior é a quebra do DVD musical, com menos 21,7% de unidades vendidas que em 2006.

Por editoras a facturação fez da Sony BMG a mais bem sucedida, conquistando 18,65 da quota de mercado. Seguem-se a Universal (18,27), EMI (14,85), Farol (12,68), Som Livre (10,98), Vidisco (8,05), Warner (7,06), Espacial (6,32), EDLP (1,74), Ovação (1,18) e Zona Música (0,22).

http://blitz.sapo.pt/?p=stories&op=view&fokey=bz.stories/21648

ranking 

Levantamento do mercado

Repertório internacional - 35.3%
Repertório Regional - 7.18%
Repertório Clássico - 3,57%
Repertório Nacional - 32,29%
Compilaçóes - 21,66%


AFP

Sem comentários: