Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2012

The Beatles

Imagem
O incêndio do Chiado destruiu os registos das vendas dos Beatles em solo português

Quantos discos venderam os Beatles em Portugal? Boa pergunta, à qual rigorosamente ninguém pode ou sabe responder com exatidão, porque não existem registos fidedignos.

O incêndio do Chiado, no dia 25 de agosto de 1988, que também destruiu a Valentim de Carvalho, então editora nacional dos Beatles, fez desaparecer quase todos os arquivos da época do auge da carreira dos músicos de Liverpool.

No ano seguinte ao incêndio, em 1989, quando os Beatles começaram a fazer o trabalho de casa para o que viria a ser o grande fenómeno discográfico de 1995, os diversos formatos da «Antologia», Rui Ferreira, da EMI, só conseguiu responder parcialmente ao presidente da companhia britânica, Mike Heatley: "Here is the list of the Beatles repertoire released in Portugal we managed to put together in spite of the fact that most of our files, kept in our old office, were burned down last August in the Lisbon fire."…

Pirataria de discos

Imagem
Entrevista ao Secretário-Geral do GPPFV

«NESTE momento, há fortes suspeitas de que haverá por parte de certas pessoas intenções em fazer pirataria no campo do disco, prensando-os com músicas e com trechos publicados legalmente noutras obras», — declarou à Música & Som, o Secretário-Geral do Grupo Português de Produtores de Fonogramas, dr. Jorge de Abreu, no decorrer duma entrevista, em que o tema principal foi, precisamente, o exercício da pirataria de obras musicais, no nosso País. O dr. Jorge de Abreu, durante o diálogo travado connosco, salientou ainda o grave prejuízo que é para as editoras e para o Estado, a pirataria de cassettes que, segundo ele, abrange cerca de 90% do mercado total, dando-nos conta, ao mesmo tempo, das diligências efectuadas para pôr cobro a tal situação.

A pirataria de obras musicais, que foi já tema nas páginas de Música & Som (ver M&S nº 3), continua, de facto, a ser um problema de maior actualidade no nosso País, pelo que consideramos ter o m…