VENDAS DE DISCOS EM PORTUGAL: GALARDÕES, DISCOS MAIS VENDIDOS, ETC...



quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

The Beatles

O incêndio do Chiado destruiu os registos das vendas dos Beatles em solo português

Quantos discos venderam os Beatles em Portugal? Boa pergunta, à qual rigorosamente ninguém pode ou sabe responder com exatidão, porque não existem registos fidedignos.

O incêndio do Chiado, no dia 25 de agosto de 1988, que também destruiu a Valentim de Carvalho, então editora nacional dos Beatles, fez desaparecer quase todos os arquivos da época do auge da carreira dos músicos de Liverpool.

No ano seguinte ao incêndio, em 1989, quando os Beatles começaram a fazer o trabalho de casa para o que viria a ser o grande fenómeno discográfico de 1995, os diversos formatos da «Antologia», Rui Ferreira, da EMI, só conseguiu responder parcialmente ao presidente da companhia britânica, Mike Heatley: "Here is the list of the Beatles repertoire released in Portugal we managed to put together in spite of the fact that most of our files, kept in our old office, were burned down last August in the Lisbon fire."

(Aqui vai a lista do repertório dos Beatles editado em Portugal que conseguimos reunir, apesar da maioria dos nossos arquivos, guardados no antigo escritório, ter ardido em agosto passado no incêndio de Lisboa).

Como quer que seja, há indícios, testemunhos, sinais, outros documentos que permitem asseverar com toda a segurança que os Beatles venderam em Portugal mais discos do que os Rolling Stones, mas menos do que os Queen. Uma estimativa mais ousada permite que se diga, com certeza quase absoluta, que os Beatles venderam no País mais de meio milhão de discos nos últimos 50 anos. Um funcionário da EMI chegou a salvar das chamas do incêndio umas fichas parcialmente manuscritas onde apontava, por trimestre, o número de discos que os Beatles iam vendendo. É apenas uma ponta do novelo escondido.

Na falta de uma interpretação autêntica, arrisca-se, por exemplo, que o primeiro EP dos Beatles editado em Portugal, «She Loves You», posto à venda no dia 22 de novembro de 1963, terá vendido mais de oito mil unidades, quantidade que, na opinião de David Ferreira, responsável pela EMI de 1988 a 2007, é "verdadeiramente surpreendente", se se considerar que o mercado discográfico nacional era então praticamente inexistente. Não havia sequer LP, que eram desmembrados em EP. Ainda assim, devido à novidade da música que começava a revolucionar, terá sido o EP dos Beatles mais vendido em Portugal na década de 60.

"Mas ao longo da década - recorda David Ferreira - mudaram os hábitos de consumo e as pessoas não esperaram pelas primeiras prensagens nacionais dos LP em Paço d' Arcos, já na década de 70, para começar a comprar os LP que a Valentim importava."

"Também a maior respeitabilidade dos Beatles passava a justificar, aos olhos do consumidor, a compra do LP."

David Ferreira, com 35 anos de EMI (1972-2007), conhece como poucos os bastidores dos Beatles na indústria discográfica nacional.

Mário Martins, que foi durante 30 anos responsável pelos artistas e repertório da EMI, de 1965 a 1994, reconhece que os Beatles eram "um caso à parte", mas confessou que "nunca viu arquivo algum" sobre a banda. "Escolhíamos as capas dos EP e os seus alinhamentos como quem vai à feira de Carcavelos", gracejou. "Na altura não havia mercado e quem mandava era os vendedores."

O primeiro top oficial, credível, de vendas de discos em Portugal só surgiu em 1997 (foi o primeiro eletrónico na Europa, a par do britânico), mas já no dia 12 de abril de 1969, o suplemento "A Mosca", do Diário de Lisboa, iniciava um top baseado em auscultação de discotecas ("Bolsa do Disco"), com três canções Lennon/McCartney nos dez primeiros lugares: «Ob-La-Di Ob-La-Da » (na versão dos Marmalade, segundo lugar), «Ob-La-Di Ob-La-Da» (Beatles, quinto lugar) e «Hey Jude» (por Wilson Pickett, sétimo lugar). O primeiro lugar foi para «Atlantis», de Donovan.

E antes, no dia 11 de setembro de 1965, a revista Rádio & Televisão já publicara o que se considera ser o primeiro top português, embora de votação dos leitores da revista e dos ouvintes dos programas "Enquanto For Bom Dia" e "23ª Hora", ambos da Rádio Renascença. E o primeiro lugar foi dos Beatles com «Help!».

O primeiro disco de ouro em Portugal foi atribuído em 1977 à cançonetista francesa de origem portuguesa Marie Myriam pela venda de mais de 50 mil exemplares de «L'Oiseau Et L'Enfant», a canção vencedora do Festival da Eurovisão desse ano. O galardão foi atribuído pelo Grupo Português de Produtores de Fonogramas e Videogramas (GPPFV), precursora da atual Associação Fonográfica Portuguesa (AFP). Nestes 35 anos de existência dos galardões, os Beatles foram receptáculo de sete discos de platina, três de ouro e um de prata, atribuídos de 1984 a 2006.

A colectânea «1», de 2000, que reúne os números 1 do quarteto de Liverpool, é o disco dos Beatles mais vendido de sempre em Portugal, com cerca de 150 mil cópias: conquistou uma tripla platina. Durante cinco semanas consecutivas, no Natal de 2000, esteve no primeiro lugar do top português, o que constitui um recorde. Foram os artistas estrangeiros mais vendidos em Portugal nesse ano.

Em 2009, quando da remasterização da sua obra, os Beatles voltaram a ser notícia, tendo Portugal sido o único país do mundo onde todos os 14 álbuns do quarteto estiveram classificados em simultâneo no top 40 na primeira semana de edição. «Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band» (terceiro lugar), «Abbey Road» (quarto lugar) e «The Beatles», conhecido como "álbum branco" (sexto lugar), foram então os discos mais vendidos.

E continuam a vender.

Luís Pinheiro de Almeida / Diário de Notícias, 19/05/2012

O texto deste artigo também aparece na reedição do livro "Beatles Em Portugal"

1976: Rock And Roll Music - #3
1983: 20 Greatest Hits - 3#1 [platina]
1993: 1962-1966 - #9/
1993: 1967-1970 - #6/
1995: Anthology 1 - #4/
1995: Anthology 2 - #5/
2000: 1 - The Beatles - 5#1 [3xplatina]

Portuguese charts - desde 2003

1 comentário:

Anónimo disse...

lol, so Queen sold more than The Beatles in Portugal?

I agree, haha.